Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 22º

AO MINUTO: Cessar-fogo em Mariupol; Ucrânia rejeita frases "bonitas"

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre o conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

AO MINUTO: Cessar-fogo em Mariupol; Ucrânia rejeita frases "bonitas"

Ao 35.º dia da invasão russa da Ucrânia, as atenções recaem sobre os bombardeamentos levados a cabo durante o último dia. Apesar de na terça-feira, a Rússia ter anunciado que as tropas iriam “reduzir drasticamente” as atividades militares em Kyiv e Chernihiv “de forma a aumentar a confiança mútua e criar as condições necessárias para levar adiante as negociações e chegar ao objetivo conjunto de assinar um acordo”, tal não se verificou e o dia de hoje amanheceu com a notícia de que a região de Chernihiv registou “bombardeamentos durante toda a noite”, à semelhança da região separatista do Donetsk.

Há ainda relatos de um bombardeamento a um edifício da Cruz Vermelha em Mariupol. Segundo um porta-voz da organização, o edifício - um armazém - estava devidamente identificado com uma cruz, o que significa que ali estão feridos, civis e/ou ajuda humanitária.

Nos últimos dias têm chegado denúncias de casos de abuso sexual por parte soldados russos e, esta terça-feira, o governo ucraniano denunciou à União Europeia (UE) os "inúmeros casos" de violação de mulheres pelas forças da Rússia.

Segundo dados confirmados pela Organização das Nações Unidas (ONU), a ofensiva militar da Rússia na Ucrânia já matou pelo menos 1.179 civis, incluindo mais de 100 crianças, e feriu 1.860, entre os quais 134 crianças. Registam-se ainda mais de 3,9 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia:

00h06 - Boa noite. Terminamos por agora a nossa cobertura AO MINUTO sobre a guerra na Ucrânia desta quarta-feira. Voltaremos na manhã de quinta-feira para continuar a acompanhar a situação.

00h05 - França não vê avanços nas negociações entre Moscovo e Kyiv para a paz
 
França lamentou hoje que não tenha havido avanços nas negociações entre Moscovo e Kyiv, nem que haja novidades na situação na Ucrânia, após os anúncios russos de redução de atividade militar na capital e no norte do país.

00h04 - Pentágono. Movimento de russos para fora de Kyiv pode ser estratégico
 
A movimentação para norte, nas últimas 24 horas, de parte das forças russas que se encontravam em redor de Kiev pode ser uma estratégia para reabastecer e reposicionar os militares, alertou hoje o Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

23h57 - Ucranianos acusam russos de lançar bombas de fósforo em Marinka
 
As autoridades ucranianas acusaram hoje as forças russas de lançar bombas de fósforo durante o dia na pequena cidade de Marinka, localizada no leste da Ucrânia, tendo sido contabilizados cerca de 12 de incêndios.

23h54 - Comité Internacional da Cruz Vermelha confirma bombardeamentos em prédio em Mariupol

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) confirmou hoje que um prédio da organização humanitária foi alvo de bombardeamentos russos na cidade ucraniana de Mariupol, onde dezenas de milhares de civis ainda se encontram cercados.

23h53 - Negociações são “apenas palavras” e “nada de concreto”, revela Zelensky

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, revelou esta quarta-feira que as negociações para um acordo de paz entre Kyiv e Moscovo continuam, mas, neste momento, “são apenas palavras, nada de concreto”.

Citado pela Sky News, o líder ucraniano acrescentou que as tropas do país estão a preparar-se para novos ataques russos na região separatista do Donbass.

23h38 - Rússia e Ucrânia retomam negociações na próxima sexta-feira 

As delegações ucraniana e russa vão retomar as negociações para um possível acordo de paz e cessar-fogo na Ucrânia na próxima sexta-feira, dia 1 de abril. Segundo um negociador ucraniano, citado pela agência de notícias Reuters, as negociações irão decorrer em formato online.

Depois dos encontros em Istambul, na Turquia, o negociador ucranino David Arakhamia defendeu que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, se encontrasse com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, mas a Rússia alegou que “ainda há trabalho” a ser feito para que tal seja possível. 

23h08 - A nova vida da família cuja fuga de Irpin se tornou capa da Time

No dia 5 de março, uma semana depois do início da guerra, tornava-se conhecida a história da pequena Emma, um bebé de cinco meses que, na companhia da mãe, foi filmada a tentar escapar da cidade de Irpin, um subúrbio ucraniano altamente devastado pelas forças russas.

23h07 - Drones, radares e aeronaves. O pedido do exército ucraniano aos Estados Unidos

O Exército da Ucrânia apresentou, na terça-feira, um novo pedido de equipamentos (e não só) aos Estados Unidos da América (EUA) para fazer frente à invasão russa. A lista inclui drones de reconhecimento e ataque, radares, sistemas anti-drone e aeronaves de apoio aéreo aproximado. 

Segundo a CNN International, que teve acesso à lista entregue ao Capitólio, o exército pediu ainda ajuda para o tratamento de soldados feridos e para o arranjo de equipamentos danificados. 

22h49 - "Não acreditamos em nenhuma bonita construção verbal", diz Zelensky

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, frisou esta quarta-feira que o país “não acredita em ninguém” nem em “nenhuma bonita construção verbal” e lembrou que “há uma situação real no campo de batalha”. 

“Não acreditamos em ninguém; em nenhuma bonita construção verbal. Há uma situação real no campo de batalha. E agora, isto é o ponto principal. Não vamos entregar nada. E lutaremos por cada metro da nossa terra, por cada um do nosso povo”, asseverou na rede social Instagram.

22h48 - Moscovo anuncia cessar-fogo em Mariupol para que civis sejam retirados
 
O Ministério da Defesa de Rússia anunciou na noite de hoje um "regime de silêncio", ou um cessar-fogo local, a partir das 10h00 (07h00, em Lisboa) de quinta-feira, para retirar civis da cidade ucraniana cercada de Mariupol.

22h44 - ONU nomeia juiz norueguês para investigar direitos humanos
 
A Organização das Nações Unidas (ONU) nomeou hoje o juiz norueguês Erik Mose, que integrou vários tribunais internacionais, para liderar uma investigação sobre violações dos direitos humanos na Ucrânia desde o início da invasão russa.

22h31 - ONU não consegue contactar com alguns dos seus funcionários em Mariupol

O Alto Comissário da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi, revelou esta quarta-feira que não consegue contactar com alguns funcionários destacados na cidade portuária de Mariupol, sitiada há várias semanas pelas tropas russas.

22h19 - Ciberataque às forças ucranianas afetou utilizadores em toda a Europa
 
Um ciberataque direcionado a uma rede de satélites usada pelo governo e agências militares da Ucrânia, logo após o início da invasão russa, também afetou dezenas de milhares de utilizadores de Internet em toda a Europa, foi hoje divulgado.

21h46 - Blinken exorta Argélia a repensar relações com Rússia
 
O chefe da diplomacia dos EUA, Antony Blinken, concluiu hoje em Argel uma deslocação ao Médio Oriente e Norte de África, com apelos à Argélia para limitar os seus laços com a Rússia e melhorar as relações com Marrocos.

21h11 - EUA diz que Rússia está a "reposicionar" tropas e não a retirá-las

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, afirmou hoje que a Rússia começou a reposicionar menos de 20% das suas forças militares em torno da capital da Ucrânia, Kyiv, e alertou para o facto de que estas mesmas tropas deverão ser reposicionadas e não retiradas.

O porta-voz do Pentágono alega, ainda, que  as tropas russas "abandonaram" Chernobyl e que estarão a dirigir-se para a Bielorrússia. "Chernobyl é uma das áreas onde os russos estão a começar a reposicionar algumas das suas tropas", disse o responsável norte-americano.

21h07 - Burlões atuam em Espinho sob pretexto da recolha de apoios para a Ucrânia
 
Moradores de Espinho têm sido sujeitos a tentativas de burla sob o falso pretexto da recolha de apoios destinados à Ucrânia e à sobrevivência em Portugal dos refugiados desse país, revelou hoje a autarquia do distrito de Aveiro.

21h00 - Soprano Anna Netrebko diz não ser "aliada de nenhum líder na Rússia"
 
A soprano russa Anna Netrebko disse hoje não ser "aliada de nenhum líder na Rússia", vincando a sua posição contra a guerra na Ucrânia, e anunciou que vai regressar aos palcos no final de maio.

20h28 - Aviões russos equipados com armas nucleares entraram em espaço sueco

Quatro aeronaves russas terão entrado no espaço aéreo sueco com armas nucleares a bordo, avança a televisão sueca TV4 News. Segundo fontes do exército sueco ao canal, dois aviões de ataque Sukhoi 24 e dois jatos Sukhoi 27 descolaram de Kaliningrado, um enclave que pertence à Rússia mas está rodeado pela Lituânia e Polónia.

19h55 Negociações entre a Rússia e a Ucrânia sem progressos, revela França

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, revelou esta quarta-feira que as negociações entre as delegações russa e ucraniana para um possível cessar-fogo na Ucrânia não progrediram hoje. 

Em entrevista ao canal France 24, o ministro sublinhou que não há sinais de que a Rússia esteja disposta a mudar a sua posição. E acrescentou: “O que é necessário é um cessar-fogo em Mariupol para evitar a carnificina. O que está a acontecer lá é terrível e o que vai acontecer em Mariupol é responsabilidade da Rússia”.

19h31 - Líder checheno diz que não haverá concessões em negociações com Ucrânia

Ramzan Kadyrov, líder da república da Chechénia desde 2007 e um dos principais reforços de Vladimir Putin no Cáucaso, disse esta quarta-feira que a Rússia não vai fazer quaisquer concessões nas negociações de paz e criticou a diplomacia russa.

19h25 - Quase 25 mil pedidos de proteção temporária concedidos pelo SEF
 
O número de pedidos de proteção temporária por parte de ucranianos e cidadãos estrangeiros naquele país invadido pela Rússia aproxima-se já dos 25.000, de acordo com dados hoje avançados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

19h19 - Zelensky dirige-se ao Congresso espanhol na próxima semana

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, irá fazer uma intervenção perante os deputados e senadores do Congresso dos Deputados de Espanha, na próxima terça-feira, dia 5 de abril, revela o jornal espanhol ABC

Na intervenção - que por “razões de segurança não pode ultrapassar os 30 minutos” - estarão presentes o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchéz, e a presidente do Congresso, Meritxell Batet, a pedido do presidente ucraniano.

19h01Itália disposta a ajudar nas negociações de paz

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, revelou esta quarta-feira ao presidente russo, Vladimir Putin, que Itália está disposta a ajudar nas negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, desde que haja “sinais claros” da desescalada das tropas russas, avança o jornal britânico The Independent. 

18h53 - Biden promete a Zelensky ajuda de 500 milhões de dólares para a Ucrânia

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, e o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, conversaram esta quarta-feira por telefone. Em cima da mesa estiveram mais sanções contra a Rússia e uma maior assistência norte-americana à Ucrânia, revela a Casa Branca.

18h52 - Putin explicou a Scholz e Draghi porque quer cobrar gás russo em rublos
 
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou hoje ao chanceler alemão, Olaf Scholz, e ao primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, as razões para o gás russo ter de ser pago em rublos, garantindo que não prejudicará as empresas europeias.

18h32 - Eslováquia expulsa 35 diplomatas russos
 
A Eslováquia decidiu expulsar 35 diplomatas russos, anunciou hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros, ao invocar informações fornecidas pelos serviços de informações.

18h20 - Putin percebeu que está a ser desinformado por militares
 
Os serviços de informações dos EUA concluíram que o Presidente russo, Vladimir Putin, já descobriu que está a ser desinformado pelos seus assessores sobre o desempenho das forças militares russas na Ucrânia.

18h03 - Guerra já fez pelo menos 1.189 mortos e 1.901 feridos civis
 
A invasão russa da Ucrânia já provocou pelo menos 1.189 mortos e 1.901 feridos entre a população civil, a maioria dos quais vítimas de armamento explosivo de grande impacto, indicou hoje a ONU.

17h55 - Zelensky e Biden estiveram à conversa. "Novas sanções" foi um dos temas

Chegou ao fim a conversa telefónica entre Volodymyr Zelensky e Joe Biden. O presidente ucraniano recorreu às redes sociais para fazer o rescaldo da conversa, que terá durado cerca de uma hora.

"Fizemos uma avaliação conjunta da situação no campo de batalha e na mesa de negociações. Falámos de apoio defensivo específico, de um novo pacote de sanções reforçadas, de ajuda macrofinanceira e humanitária", deu conta Zelensky.

17h54 - Kyiv insiste na retirada de tropas russas antes de acordo com Moscovo
 
A Ucrânia insistiu hoje que um acordo com a Rússia apenas será possível após a retirada das suas tropas, enquanto o Kremlin avisou Kyiv de que o estatuto de independência da Crimeia e das repúblicas separatistas é intocável.

17h52 - Pagamento de gás russo em rublos "não vai prejudicar clientes europeus"

O chanceler alemão, Olaf Scholz, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, estiveram à conversa esta quarta-feira por telefone, tendo o fornecimento do gás russo sido um dos temas em cima da mesa. De acordo com o Le Parisien, o presidente russo disse ao chanceler alemão que o pagamento em rublos das exportações de gás russo, agora exigido por Moscovo, não deveria prejudicar os clientes europeus.

17h50 - Com um mês de guerra, Kyiv volta ao trabalho para "ganhar a vida"
 
Mais de um mês depois da invasão da Ucrânia, a capital, Kyiv, acordou hoje com mais carros a circular, mais lojas abertas e mais pessoas nas ruas, mesmo com a chuva ligeira que se fez sentir.

17h49 - Rutte diz que acordo de paz não pode ser feito "com uma arma apontada"

O primeiro-ministro neerlandês, de visita a Espanha, comentou as negociações de paz entre Ucrânia e Rússia, com o recuo de tropas russas em Kyiv e a admissão de neutralidade por Zelensky a trazerem esperanças sobre um cessar-fogo.

17h45 - ONU acusa Rússia de 24 ataques com bombas de fragmentação
 
As Forças Armadas russas utilizaram em pelo menos 24 ocasiões bombas de fragmentação, proibidas pela lei internacional, contra áreas povoadas na Ucrânia desde o início da invasão, denunciou hoje a Alta-comissária da ONU para os Diretos Humanos.

17h44 - 4 milhões de refugiados. Para onde fugiram as vítimas da guerra na Ucrânia?

O número de pessoas que abandonaram a Ucrânia desde o início da invasão russa da Ucrânia ultrapassou os quatro milhões, segundo informações do Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Mas para onde fugiram os 4.019.287 refugiados?

Segundo dados da ONU, a Polónia é o país que recebeu mais fugitivos da guerra: 2.336.799. Segue-se a Roménia com 608.936, a República da Moldova com 387.151, a Hungria com 364.804, a Federação Russa com 350.632, a Eslováquia com 281.172 e a Bielorrússia com 10.902. 

17h28 - Johnson deixa claro que objetivo não é remover Putin do poder

Continuam os esforços da diplomacia mundial em desvalorizar uma potencial saída de Vladimir Putin do poder russo, depois dos comentários ríspidos do presidente norte-americano Joe Biden num discurso em Varsóvia.

Desta vez, foi Boris Johnson quem reafirmou que o objetivo do Reino Unido não é remover Putin do Kremlin, dizendo que "desejar uma mudança de governo por si só não é ignóbil", mas "esse é o objetivo de muitas políticas democráticas".

17h24 - ONU alerta para possíveis "crimes de guerra" na Ucrânia

A Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, alertou esta quarta-feira para os bombardeamentos e ataques da Rússia contra zonas povoadas da Ucrânia, sublinhando que geram uma “imensa preocupação” e podem constituir “crimes de guerra”. 

17h18 - PAM fornece alimentação a um milhão de pessoas
 
O Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU revelou hoje ter fornecido uma ajuda alimentar de urgência a um milhão de pessoas na Ucrânia, após a invasão do país pelas forças russas.

17h13 - Rússia recruta 16 mil combatentes do Médio Oriente e oferece 6 mil euros

A Rússia afirma ter recrutado cerca de 16 mil combatentes oriundos do Médio Oriente, revela a BBC, que apurou ainda que os combatentes da Síria estão a receber cerca de seis mil euros mensais para lutar na guerra da Rússia contra a Ucrânia.

17h00 - Oito russos sancionados no Reino Unido tinham vistos 'gold'
 
Oito cidadãos russos que beneficiaram de vistos 'gold' (vistos de investidor) do Reino Unido foram sancionados devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, indicou hoje o governo britânico. 

16h57 - Diretor da agência nuclear da ONU visita centrais
 
O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) visitou hoje a central nuclear de Konstantinovka, no sul da Ucrânia, para disponibilizar "assistência técnica" no contexto da guerra, num país com um enorme parque nuclear.

16h37 - Biden e Zelensky conversam sobre “apoio” dos EUA à Ucrânia

O presidente norte-americano, Joe Biden, e o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, estão, neste momento, a comunicar através de uma chamada telefónica. Segundo fonte da Casa Branca, o objetivo da conversa é “discutir o apoio continuado” dos Estados Unidos da América (EUA) “face à agressão russa”. 

A chamada estava agendada para as 10h45, mas começou pelas 11h08 [mais cinco horas em Lisboa], segundo revela a CNN International. 

16h29 - Tribunal europeu chumba pedido da Russia Today para escapar a sanções

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) chumbou esta quarta-feira um pedido da televisão estatal russa Russia Today de travar temporariamente a suspensão de transmissão imposta pelas sanções contra a Rússia.

16h22 - Dois milhões de crianças foram forçadas a fugir da Ucrânia, revela Unicef

Cerca de dois milhões de crianças viram-se forçadas a fugir da Ucrânia devido ao escalar do conflito com a Rússia, revelou hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) "A situação dentro da Ucrânia está a agravar-se", adiantou a diretora executiva da Unicef, Catherine Russell, em comunicado.

16h06 - Putin e Defesa russa. Descobrem-se as verdades e zangam-se as comadres?
 
De acordo com uma fonte oficial dos EUA, haverá clima de "grande tensão" entre o presidente da Rússia e o ministro da Defesa, decorrente avanço reduzido das tropas russas na Ucrânia.

16h01 - Ordem propõe que médicos refugiados possam ser contratados só pelo SNS
 
A Ordem dos Médicos propôs ao Governo que os médicos refugiados ucranianos apenas possam ser contratados para o SNS e apelou que encontre com as universidades uma solução para o reconhecimento dos diplomas.

15h56 - Ucranianos estão a usar tanques e armas russas para atacar o inimigo

As tropas russas terão perdido, desde o início da guerra, e segundo contas dos militares ucranianos, 600 tanques de guerra e outros 1.700 veículos armados. Veículos esses que estarão a ser recuperados por mecânicos ucranianos e usados na defesa do seu país.

15h56 - Abramovich é "um mediador extremamente eficaz", diz negociador ucraniano

"Um mediador extremamente eficaz". É assim que Mykhailo Podoliak, membro da delegação de negociação ucraniana e conselheiro do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, descreve Roman Abramovich. 

15h38 - Cruz Vermelha confirma que mísseis russos atingiram edifício em Mariupol

Um porta-voz da Cruz Vermelha confirmou ao Guardian que um dos seus edifícios em Mariupol - devidamente identificado com uma cruz, o que significa que ali estão estão feridos, civis, ou ajuda humanitária - foi atingido por um míssil. Segundo a organização, trata-se de um armazém. "Podemos adiantar que já tínhamos distribuído todo o material de ajuda humanitária que tínhamos no armazém", disse, acrescentando que não tinha informações sobre eventuais estragos e baixas, tendo em conta que não há nenhuma equipa da Cruz vermelha no local.

As autoridades ucranianas tinham, também, confirmado a mesma informação. "Os ocupantes bombardearam deliberadamente um prédio do CICV em Mariupol", escreveu na sua conta da rede social Telegram Lioudmyla Denisova, responsável pelos direitos humanos no Parlamento ucraniano.

15h38 - Moradores de cidade russa registam uma explosão perto da Ucrânia

Os moradores da cidade russa de Belgorod registaram na noite desta terça-feira uma explosão na aldeia de Oktyabrsky a cerca de 12 quilómetros da fronteira ucraniana.

15h37 - Papa Francisco encontrou-se com crianças ucranianas refugiadas

O Papa Francisco esteve esta quarta-feira, 30 de março, com crianças refugiadas ucranianas que estavam presentes na audiência geral no Salão das Audiências Pontifícias, no Vaticano, em Roma. O pontífice apelou à oração pelo fim da invasão russa à Ucrânia que já levou quatro milhões de pessoas a abandonar o país. 

15h34 - Ex-MNE russo diz que Rússia pode estar a "ganhar tempo para se reagrupar"

Andrei Kozyrev, ministro das dos negócios estrangeiros da Rússia entre 1990 e 1996, deu a sua opinião sobre a promessa da Rússia reduzir a sua operação militar em Kyiv e Chernihiv. Utilizando a rede social Twitter desabafou que "as boas notícias das negociações Rússia/Ucrânia em Istambul não é que Putin esteja subitamente a agir de boa-fé, mas que a heroica resistência ucraniana está a fazer com que ele procure saídas e disfarces diplomáticos".

15h32 - Para recordar:

  • Morreu o 8.º coronel russo desde o início do conflito. O coronel Denis Kurilo, da brigada que invadiu a Finlândia em 1944 e participou na invasão à Crimeia em 2014, foi abatido perto de Kharkiv
  • Peskov diz que haverá "avanços" sobre negociações ainda hoje. O porta-voz do Kremlin disse hoje que, apesar de ainda não haver avanços na resolução do conflito, a Ucrânia ter feito as suas exigência foi um ponto positivo.

  • Kremlin está a voltar para a Rússia e Bielorrússia para "reabastecer". As unidades russas que sofreram grandes perdas estão a ser forçadas a "reorganizar e reabastecer" voltando para a Rússia e Bielorrússia, segundo o ministério da defesa do Reino Unido.

  • EUA e NATO detetam movimentação das forças russas para fora de Kyiv. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos e a NATO revelaram terça-feira que detetaram uma aparente mudança na movimentação das forças terrestres russas, que apontam para um afastamento da região de Kiev, tal como indicado por Moscovo.

15h30 - Boa tarde. Iniciamos uma nova cobertura AO MINUTO da invasão russa na Ucrânia. Pode recordar o registo anterior aqui desta quarta-feira aqui.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório