Meteorologia

  • 19 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 21º

Putin explicou a Scholz e Draghi por que quer cobrar gás russo em rublos

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, apresentou hoje ao chanceler alemão, Olaf Scholz, e ao primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, as razões para o gás russo ter de ser pago em rublos, garantindo que não prejudicará as empresas europeias.

Putin explicou a Scholz e Draghi por que quer cobrar gás russo em rublos
Notícias ao Minuto

18:49 - 30/03/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"A alteração do mecanismo de pagamento é implementada porque, violando as normas do direito internacional, os países membros da União Europeia (UE) congelaram as reservas cambiais do Banco da Rússia", explicou o Kremlin num comunicado onde resume uma conversa telefónica de hoje entre Putin e Scholz.

O Presidente russo também falou com o chefe do governo italiano, a quem explicou igualmente os detalhes desta medida, referiu o Kremlin.

Putin assegurou ao líder alemão que esta decisão "não vai piorar as condições estabelecidas nos contratos para as empresas europeias que importam gás russo", referiu a Presidência russa, que não deu detalhes.

O porta-voz do governo alemão adiantou, entretanto, que o Presidente russo assegurou ao chanceler Olaf Scholz que para já a Europa poderia continuar a pagar o gás russo em euros e não em rublos.

Steffen Hebestreit, disse que Putin garantiu a Scholz que os pagamentos da Europa no próximo mês "continuarão a ser em euros e transferidos, como de costume, para o Gazprom Bank, que não está sujeito a sanções", e que tratará da conversão em rublos.

O chanceler alemão não terá dado o seu acordo a este procedimento mas sim solicitado informações escritas para o compreender melhor, segundo o seu porta-voz.

O Kremlin tinha também adiantado que "foi acordado que haverá conversações adicionais entre peritos de ambos os países".

A Alemanha tem sido um dos países mais relutantes em incluir o setor energético nas sanções contra Moscovo devido à guerra na Ucrânia, uma vez que 55% do gás que consome provém da Rússia.

Após o anúncio de Putin de exigir em rublos o pagamento pelo gás russo, a UE rejeitou categoricamente esta exigência, dizendo que constitui uma violação dos contratos existentes.

Além da questão dos contratos de gás, Putin falou com Scholz e Draghi sobre as negociações entre a Rússia e a Ucrânia realizadas terça-feira, em Istambul, bem como sobre "questões relacionadas com a retirada de civis de zonas de combate, especialmente Mariupol", informou ainda o Kremlin.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de quatro milhões para países vizinhos e a ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: Ucrânia. Putin percebeu que está a ser desinformado por militares

Recomendados para si

;
Campo obrigatório