Meteorologia

  • 18 JULHO 2018
Tempo
22º
MIN 20º MÁX 24º

Edição

Incêndios: "Ninguém melhor do que Jorge Gomes sabe o que aconteceu"

O primeiro-ministro, António Costa, disse que o ex-secretário de Estado da Administração Interna Jorge Gomes, que apontou a existência de dados "falsos" no relatório sobre os incêndios de outubro, sabe melhor do que ninguém o que aconteceu.

Incêndios: "Ninguém melhor do que Jorge Gomes sabe o que aconteceu"
Notícias ao Minuto

19:07 - 22/03/18 por Lusa

Política António Costa

Questionado sobre as declarações de Jorge Gomes, à margem da "cimeira da primavera" do Conselho Europeu, a decorrer em Bruxelas, António Costa escusou-se "a comentar factos da política nacional", mas lembrou que "ninguém melhor do que o ex-secretário Jorge Gomes sabe o que aconteceu e poderá falar sobre essa matéria".

O ex-secretário de Estado da Administração Interna criticou esta quinta-feira a Comissão Técnica Independente aos incêndios de outubro por ausência de direito ao contraditório e apontou a existência de dados "falsos" sobre meios de combate disponíveis.

Jorge Gomes, atual deputado socialista e que se demitiu do Governo na sequência dos incêndios de 15 e 16 de outubro, em conferência de imprensa, acusou o ex-segundo comandante operacional (CONAC) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o tenente coronel Albino Tavares, de ter transmitido aos elementos da Comissão Técnica Independente informações "falsas".

De acordo com Jorge Gomes, a Comissão Técnica Independente "não fez o contraditório" das posições assumidas pelo tenente coronel Albino Tavares, que na altura dos fogos de outubro desempenhava as funções de primeiro CONAC em regime de substituição.

A comissão que analisou os grandes incêndios rurais de 2017 entregou na terça-feira, no Parlamento, o relatório dos fogos de outubro, envolvendo oito distritos das regiões Centro e Norte.

O documento, que atualiza para 48 o número de mortos nesse mês, conclui que falhou a capacidade de "previsão e programação" para "minimizar a extensão" do fogo na região Centro (onde ocorreram as mortes), perante as previsões meteorológicas de temperaturas elevadas e vento.

A junção de vários fatores meteorológicos, descreve, constituiu "o maior fenómeno piro-convectivo registado na Europa até ao momento e o maior do mundo em 2017, com uma média de 10 mil hectares ardidos por hora entre as 16:00 do dia 15 de outubro e as 05:00 do dia 16".

Contudo, acrescenta, a Autoridade Nacional de Proteção Civil pediu um reforço de meios para combater estes incêndios devido às condições meteorológicas, mas não obteve "plena autorização a nível superior", e a atuação do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) foi "limitada" por falhas na rede de comunicações.

Governo autorizou reforço de meios aéreos até fim de outubro

O Governo concordou em 10 de outubro reforçar os meios aéreos de combate a fogos florestais até ao fim desse mês, mas as aeronaves só entraram em ação no último dia dos piores incêndios registados em Portugal em 2017.

Segundo documentação a que a Lusa teve acesso, o Governo respondeu cinco horas depois a um pedido, enviado, na noite de 9 de outubro, pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) para reforçar o dispositivo na fase Delta, que se iniciara no primeiro dia desse mês.

Na resposta, o Governo concordou com um acréscimo de 70 horas de serviço para dois aviões anfíbios médios, com o prolongamento do contrato de aluguer de dois aviões anfíbios pesados e de oito helicópteros médios, todos eles até 31 de outubro.

No caso dos anfíbios médios, o contrato já tinha sido prolongado com mais 300 horas a 14 de agosto.

A autorização para o prolongamento destes meios aéreos foi dada a 13 de outubro, não tendo existido nenhuma interrupção na disponibilidade dos aviões e helicópteros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.