Meteorologia

  • 05 ABRIL 2020
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 18º

Edição

CDS-PP/Lisboa defende medidas "mais robustas" para combater Covid-19

A vereadora do CDS-PP na Câmara de Lisboa Assunção Cristas defendeu hoje que o pacote de medidas apresentado pela autarquia para fazer face à covid-19 "é um primeiro passo", mas que é necessário ir mais longe.

CDS-PP/Lisboa defende medidas "mais robustas" para combater Covid-19
Notícias ao Minuto

16:24 - 25/03/20 por Lusa

Política Covid-19

Em declarações à agência Lusa, a vereadora considerou que "a câmara vai ter de fazer mais", designadamente no que diz respeito ao apoio às empresas e às famílias.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), apresentou hoje um conjunto de medidas para fazer face à pandemia de covid-19, nomeadamente o reforço do fundo de emergência social no valor de 25 milhões de euros e a isenção do pagamento de rendas até 30 de junho aos estabelecimentos comerciais localizados em espaços municipais.

No entender da vereadora, o presidente da autarquia colocou também "muito ênfase no setor das obras e no setor da cultura", mas "do ponto de vista financeiro" devia haver "um pacote [de medidas] mais robusto" para "injetar liquidez junto das empresas e das famílias".

"Não se pode olhar só para esse setor, é preciso olhar para os outros e por isso faltam ainda medidas para o pequeno comércio, para os pequenos prestadores de serviços, para no fundo as pessoas que ficaram agora de um momento para outro sem qualquer tipo de atividade, muitas das vezes sem qualquer tipo de rendimento", argumentou.

Na reunião da autarquia de terça-feira, destinada unicamente a debater a pandemia de covid-19, o CDS-PP apresentou um conjunto de propostas, como a criação de um gabinete de crise com um fundo de emergência de 200 milhões de euros, para apoiar as empresas e os munícipes, e a isenção de todas as taxas municipais para todas as pessoas e entidades durante seis meses.

Apontando que as "propostas do CDS foram parcialmente acolhidas", Assunção Cristas defendeu que a suspensão da cobrança apenas das taxas de ocupação do espaço publico é "pouco".

Relativamente à proposta dos centristas de devolução do valor máximo do IRS (5%), Cristas explicou que "não foi contemplada" e que o partido vai estudar uma alternativa, elogiando, porém, "a isenção dos arrendamentos em espaços municipais".

A também ex-líder do partido referiu que as medidas apresentadas hoje pelo presidente da autarquia, na sequência da reunião de câmara realizada na terça-feira, não foram objeto de deliberação formal, apesar de ter sido procurado um consenso entre as várias forças políticas.

Assunção Cristas destacou ainda que o partido vai continuar a acompanhar a situação e a trabalhar para apresentar mais propostas, reiterando que são precisas "medidas mais robustas".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório