Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2018
Tempo
30º
MIN 29º MÁX 31º

Edição

Guardia Civil ouviu Ana Julia insultar Gabriel enquanto trasladava corpo

Os carros da família de Gabriel Cruz, que eram usados por Ana Julia Quezada, tinham todos microfones e sinalizadores.

Guardia Civil ouviu Ana Julia insultar Gabriel enquanto trasladava corpo
Notícias ao Minuto

17:49 - 16/03/18 por Anabela de Sousa Dantas 

Mundo Operação Nemo

A divulgação do auto de prisão assinado esta quinta-feira pelo juiz Rafael Soriano, na província espanhola de Almería, continua a levantar o véu sobre os contornos macabros e de surpreendente frieza com que Ana Julia Quezada cometeu o assassinato do pequeno Gabriel Cruz, de oito anos.

Assim como já tinha dado a entender, ontem, a Guardia Civil, durante a conferência de imprensa, o jornal La Vanguardia confirma que o próprio juiz encarregue do caso não dá credibilidade à defesa da suspeita e descreve, ainda, como os agentes da UCO (unidade especial da Guardia Civil) apanharam Quezada em manifestações de ódio pela criança.

Segundo descreve o documento, a que o jornal espanhol teve acesso, os carros da família, que eram usados por Ana Julia, tinham todos microfones e sinalizadores de localização. No domingo em que a dominicana foi apanhada em flagrante a mudar o corpo da criança de sítio, a 11 de março, a UCO estava a ver e a ouvir.

“Desenterrou o corpo do menino, colocou-o no porta-bagagens expressando a intenção de se desfazer do corpo numa estufa e destilando expressões vexatórias (…) que revelam, presumivelmente, uma falta de sentimentos, de humanidade (…) e pura crueldade”, descreve o documento assinado pelo juiz.

Ana Julia estava a ser ouvida pelos microfones da polícia enquanto dava “voltas sem rumo” e depois quando se dirigia para o apartamento que dividia com o pai da criança, Ángel Cruz, em La Puebla de Vícar.

Uma das outras informações que surgem com a divulgação do auto é a de que, no dia 27 de fevereiro, a suspeita primeiro cavou o buraco onde enterrou o menino e depois é que o asfixiou com as próprias mãos, sugerindo premeditação e deitando por terra as suas alegações, de que agiu no âmbito de uma discussão com Gabriel.

Sublinhe-se que, ontem, Juan Jesús Reina, comandante da unidade operacional (Unidad Central Operativa, UCO) da Guardia Civil fez, juntamente com o tenente-coronel da Guardia Civil, José Hernández Mosquera, uma conferência de imprensa onde detalharam os passos de toda a operação, chamada Operação Nemo, fazendo referência ao nome carinhoso com que Gabriel era tratado: 'pescaíto'.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório