"O ano depois de o meu pai morrer, eu comecei a treinar"

Mkhitaryan descreveu, numa entrevista, a sua relação com pai antes de se tornar jogador profissional.

© Getty Images
Desporto Mkhitaryan

Numa entrevista concedida ao site Players tribune, Henrikh Mkhitaryan, 27 anos, abordou a morte do seu pai, Hamlet, que foi um jogador de futebol na União Soviética nos anos 80, e a forma como afetou o armeno emocionalmente.

PUB

"O meu tempo com o meu pai foi muito importante, mas também muito curto. Quando tinha seis anos de idade, os meu pais dizeram me que iriamos voltar para a Arménia. Eu não percebi o que estava a passar. O meu pai deixou de jogar futebol e estava sempre em casa (…) Eu não sabia que o meu pai tinha um tumor no cérebro. Tudo aconteceu muito rápido, em menos de um ano, ele tinha falecido", desabafou.

O jogador, que passou por clubes como o Shakhtar Donestsk e o Borussia Dortmund, confessou que foi a morte do seu pai, o principal motivo para começar a jogar futebol.

"O ano depois de o meu pai morrer, eu comecei a treinar (…) Ele era o meu ídolo. Eu disse a mim próprio, tenho de correr como ele, tenho de chutar como ele chutava", sublinhou.

"Aos 10 anos, a minha vida era só futebol. Treinava, li-a, vi-a e até jogava futebol na Playstaion. Eu estava totalmente focado. Amava os jogadores creativos, os maestros. Sempre quis jogar como Zidane, Kaka e Hamlet", disse.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS