Meteorologia

  • 20 JULHO 2018
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 21º

Edição

Problema do Programa de Estabilidade é mais do que "as décimas" do défice

O secretário-geral do PCP considerou hoje que o problema de fundo do Programa de Estabilidade "é o colete de forças" que a União Europeia coloca a Portugal, mais do que "a questão das décimas" do défice.

Problema do Programa de Estabilidade é mais do que "as décimas" do défice
Notícias ao Minuto

15:40 - 16/04/18 por Lusa

Política Jerónimo de Sousa

Ressalvando que o partido ainda não decidiu como votará o projeto de resolução que o BE irá apresentar para que o Programa de Estabilidade mantenha o compromisso do défice de 1,1% em 2018 - em vez do valor de 0,7% inscrito pelo Governo -, Jerónimo de Sousa sublinhou que o problema de fundo é que se está a discutir "num quadro, numa matriz, num colete de forças que é imposto pela União Europeia".

"Em relação ao Bloco, à proposta do Bloco, percebe-se a intenção, particularmente acrescentando umas décimas ao défice, mas o problema de fundo não é esse", sublinhou, admitindo que o PCP está ainda a avaliar que posição tomar.

"Nós funcionamos em termos coletivos, vamos reunir a comissão política", referiu, recordando, contudo, que em relação ao projeto de rejeição ao Programa de Estabilidade que o CDS-PP já anunciou que irá apresentar, a oposição do PCP é clara.

Jerónimo de Sousa admitiu, contudo, que "as décimas" que são retiradas ao défice no Programa de Estabilidade "poderiam refletir-se aqui ou acolá pontualmente", nomeadamente em setores onde é preciso investir.

O secretário-geral do PCP, que falava aos jornalistas no final de uma visita à Unidade de Saúde Familiar da Quinta do Conde, no concelho de Sesimbra, apontou precisamente o setor da saúde como um dos que tem "a doença crónica" da falta de investimento.

Por isso, acrescentou, o Programa de Estabilidade não poderá invalidar, nem impedir que, no quadro da discussão do Orçamento do Estado para 2019, sejam encontradas soluções alternativas de reforço do investimento no Serviço Nacional de Saúde.

Os problemas que os comunistas encontraram no centro de saúde da Quinta do Conde -- onde menos de 50% dos utentes tem médico de famílias -- confirmam "as carências e as dificuldades" que existem no setor da Saúde, referiu o secretário-geral do PCP.

"Este é um exemplo concreto das dificuldades que hoje existem, particularmente na questão do investimento e da necessidade de dar resposta ao problema das instalações", salientou.

Jerónimo de Sousa adiantou ainda que a visita que hoje fez à Unidade de Saúde Familiar da Quinta do Conde antecede o Encontro Nacional sobre Saúde que o PCP irá organizar no sábado, em Lisboa. Na terça-feira, o líder dos comunistas irá também visitar o Hospital de São José, em Lisboa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.