Meteorologia

  • 21 MAIO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Óvulos são cultivados pela primeira vez do início ao fim em laboratório

Pela primeira vez um óvulo foi desenvolvido em laboratório do princípio ao fim. Segundo os cientistas, o feito inédito pode salvaguardar a fertilidade de mulheres que sofram de cancro na infância.

Óvulos são cultivados pela primeira vez do início ao fim em laboratório
Notícias ao Minuto

09:33 - 09/02/18 por Liliana Lopes Monteiro

Lifestyle Ciência

Uma equipa constituída por investigadores da Universidade de Edimburgo, da Royal Infirmary e do Hospital for Sick Children também em Edimburgo, e do Center for Human Reproduction, em Nova Iorque, conseguiu remover o tecido de ovário de bebés do sexo feminino e numa experiência inédita desenvolveram-no em laboratório, até esses óvulos estarem prontos para fertilização. O feito e as conclusões foram publicadas no Journal Molecular Human Reproduction.

A remoção de tecido dos ovários é um procedimento geralmente realizado em meninas que padecem de algum tipo de cancro e que se submetem a tratamentos invasivos, como a quimioterapia, que as pode deixar inférteis. Atualmente, os óvulos retirados são cultivados num ambiente controlado e reimplantados futuramente na paciente. Contudo, há o risco da doença cancerígena se desenvolver novamente, aquando da reimplantação dos óvulos.

Este último avanço científico permite que os óvulos sejam fertilizados também em laboratório. Diminuindo assim, segundo a comunidade científica a probabilidade do cancro voltar no futuro.

A coordenadora do projeto e professora da Universidade de Edimburgo, Evelyn Telfer afirma: “A capacidade de desenvolver óvulos humanos, do início ao fim num laboratório constitui um grande avanço relativamente aos tratamentos de fertilidade que existem atualmente”.

“Ainda estamos a otimizar as condições para que os óvulos se desenvolvam da melhor forma possível e a averiguar o quão saudáveis são. Mas, esperamos que no futuro seja autorizada, pelas entidades reguladoras, a sua fertilização em laboratório”, acrescenta a cientista.

O professor da Universidade de Manchester, Daniel Brison comenta que se trata “de uma grande desenvolvimento científico, alcançado 20 anos depois das primeiras experiências terem sido realizadas em ratos”. E conclui “ainda há muito trabalho a ser feito, mas estes avanços podem e vão de certeza abrir caminho na prevenção da fertilidade feminina, especialmente nas mulheres que são vítimas de cancros na infância”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.