Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 11º MÁX 16º

Edição

Trump anuncia novas sanções... e arrasa bolsas europeias

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou novas sanções contra a China na quinta-feira.

Trump anuncia novas sanções... e arrasa bolsas europeias

Os mercados europeus abriram em território negativo, esta sexta-feira, depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter anunciado novas sanções contra a China. As principais praças europeias abriram com quedas, à exceção de Lisboa que negocia na linha de água

A bolsa de Lisboa abriu hoje em baixa, com o principal índice (PSI20) a perder 1,41% para 4.943,12 pontos, depois de ter fechado na quarta-feira em terreno negativo.

Os investidores foram apanhados em contrapé quando Trump escreveu na rede social Twitter que os EUA iam instaurar tarifas aduaneiras suplementares de 10% sobre importações chinesas, que ascendem a 300 mil milhões de dólares (271 mil milhões de euros), que até aqui não estavam sujeitas a esta imposição, no contexto da guerra comercial sino-norte-americana iniciada pelo presidente dos EUA.

Algumas sociedades especializadas na distribuição de bens de consumo foram afetadas violentamente, como o vendedor de bens eletrónicos Best Buy, que desvalorizou 10,79%, a cadeia de grandes armazéns Macy's, que recuou 6,69%, ou o vendedor de roupa Gap, que caiu 7,90%.

"Não o antecipámos", admitiu Gregori Volokhine, da Meeschaert Financial Services, que fez duas leituras deste anúncio.

"É o processo habitual das negociações, esta não foi a primeira vez" que Donald Trump faz ameaças para forçar a mão à China nas discussões comerciais que já duram há mais de um ano, avançou Volokhine.

Mas com o seu anúncio, o Presidente "troçou da Fed" (Reserva Federal, o banco central dos EUA) que, para alguns, desceu a taxa de juro de referência menos do que Trump desejaria.

"Para que a Fed fizesse o que Trump queria, que adotasse uma política extremamente acomodatícia (cortes mais acentuados na taxa), seria necessário que a guerra comercial se agravasse", considerou Volokhine.

Os EUA já estão a aplicar direitos alfandegários suplementares de 25% a importações chinesas de valor superior a 250 mil milhões de dólares. Por seu lado, Pequim retorquiu impondo tarifas alfandegárias suplementares a importações oriundas dos EUA no valor de 110 mil milhões de dólares.

Até agora, o Governo de Trump tinha evitado agravar os bens de consumo corrente dos norte-americanos, de tal modo que a economia dos EUA, assente no consumo privado, tem permanecido relativamente imune à guerra comercial.

Mas "estes 10% de tarifas suplementares vão atingir diretamente o consumidor norte-americano", avisou Gregori Volokhine.

Já a analista Maris Ogg, da Tower Bridge Advisors, observou, por seu lado, que "as ameaças ainda não deram os seus frutos, porque os chineses parecem ter um horizonte mais largo do que os norte-americanos e não vão querer dar uma vitória a Trump antes da próxima eleição presidencial".

Na sua opinião, "tudo isto alimenta ainda mais a incerteza" em torno da guerra comercial e das suas possíveis repercussões no crescimento mundial.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório