Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 14º

Edição

Contratos de 4 créditos mais problemáticos "não foram disponibilizados"

A auditora EY admitiu hoje no parlamento que não lhe foi disponibilizada documentação relativa a contratos de quatro dos 25 créditos mais problemáticos identificados na auditoria que realizou à Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Contratos de 4 créditos mais problemáticos "não foram disponibilizados"
Notícias ao Minuto

19:49 - 26/03/19 por Lusa

Economia CGD

Quando questionada pela deputada do CDS-PP Cecília Meireles, na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco público, sobre em quantos casos dos 25 mais problemáticos não foi disponibilizada a informação à auditora, Florbela Lima, 'partner' da EY, respondeu "três".

"Para além daqueles que já identificou, em que existem documentos mas que estão no Ministério Público...", relembrou Cecília Meireles, ao que a responsável da EY acrescentou: "Com esses, são quatro".

Estes quarto créditos problemáticos fazem parte de um total de 60 cuja informação não foi disponibilizada à EY.

"Alguma informação tem que haver para se saber que existem devedores. O que pergunto é se há contratos assinados ou não há contratos assinados?", questionou a deputada do CDS-PP.

"Relativamente a contratos, pareceres, despachos, no fundo a informação mínima crítica considerada por nós relevante para fazer a análise (...), ela não nos foi disponibilizada", referiu Florbela Lima.

Cecília Meireles apelou a Florbela Lima para que percebesse a "estranheza", uma vez que sem contratos, "no limite, esta pessoa pode nem ser devedora. Se a Caixa não tem nenhuma prova de que a pessoa recebeu aquele dinheiro", que "aparece como tendo saído da Caixa mas não há nenhum suporte jurídico dele ter saído ou daquela pessoa ser devedora".

"Eu não estou a dizer que não existe contrato, estou a dizer que o contrato não nos foi disponibilizado", ressalvou a responsável da auditora EY.

Florbela Lima referiu ainda que a documentação trazida da Caixa foi a "original, à data", e que "a informação não estava lá", perante uma pergunta da deputada centrista sobre se o banco público não mantinha a informação noutro suporte.

"Independentemente de o Ministério Público precisar desta informação, eu presumo que a Caixa continue a tentar recuperar os créditos. Como é que o pode fazer sem suporte documental?", ressalvou Cecília Meireles.

"Essa informação não estava disponível na Caixa Geral de Depósitos e não nos foi disponibilizada", insistiu a 'partner' da EY, incluindo, "em particular", a que estava no Ministério Público.

Para Cecília Meireles, "o facto de [o contrato] não ter sido disponibilizado é um indício bastante forte de que ele não existe".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório