Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2018
Tempo
32º
MIN 30º MÁX 34º

Edição

França com múltiplas iniciativas no centenário da Batalha de La Lys

Exposições, conferências e visitas guiadas são algumas das iniciativas que vão marcar o centenário da Batalha de La Lys e da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial, de 7 de abril a 6 de maio, no norte de França.

França com múltiplas iniciativas no centenário da Batalha de La Lys
Notícias ao Minuto

11:34 - 18/03/18 por Lusa

Cultura I Guerra Mundial

De acordo com a associação Activa - Grupo de Amizade França Portugal das Cidades e Colectividades territoriais, as comemorações oficiais são a 08 de abril, em Paris, na presença do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro António Costa, e a 09 de abril, no cemitério militar português de Richebourg L'Avoué e junto ao Monumento aos Mortos da Grande Guerra de La Couture, no norte de França, também com os chefes de Estado e de governo portugueses e o presidente da República francesa, Emmanuel Macron.

Além destes dois dias, o Posto de Turismo de Béthune-Bruay, em parceria com os municípios de Richebourg, La Couture, Saint-Venant, Vieille-Chapelle, Neuve-Chapelle, e com o apoio do Comité France-Portugal Hauts-de-France, organiza, durante um mês, várias atividades sob o tema "Os Portugueses na Grande Guerra".

Em Richebourg, perto do cemitério onde estão sepultados 1.831 soldados, vai haver, de 7 de abril a 6 de maio, uma exposição intitulada "Raízes", na sala Paul Legry, sobre os descendentes de militares portugueses que combateram na Grande Guerra, comissariada por Aurore Rouffelaers, coordenadora das comemorações na região e secretária-geral do Comité France-Portugal Hauts-de-France.

Aurore Rouffelaers vai realizar, a 19 de abril, uma conferência sobre a recolha de depoimentos para esta exposição e vai apresentar alguns retratos inéditos, de acordo com o comunicado de imprensa enviado à Lusa.

Na localidade de Vieille-Chapelle, na sala do jardim de infância da escola Deux-Rivières, vai estar patente, a 7, 8, 14 e 15 de abril e, depois, de 21 de abril a 6 de maio, a exposição "Amores Suspensos", feita a partir de cerca de 150 cartas de soldados portugueses oriundas da coleção do neto de um dos soldados, Afonso Maia, que dedicou grande parte da sua vida a estudar o Corpo Expedicionário Português (CEP).

A 26 de abril, a também comissária desta exposição, Aurore Rouffelaers, vai fazer uma conferência sobre "a história das correspondências de guerra e das relações de amor suspensas".

No programa constam, também, exposições-percurso ao ar livre", nomeadamente "As faces do combate" com os rostos de homens e mulheres que participaram da Batalha de la Lys espalhados por diferentes localidades, como a enfermeira Maria Francisca Dantas Machado, em Neuve-Chapelle, o coronel Bento Roma em La Couture, o soldado João Assunção em Richebourg, o general Tamagnini, em Saint-Venant, e o "soldado Milhões" em Vieille-Chapelle.

A segunda exposição ao ar livre, nas mesmas localidades, chama-se "A Guerra em Transparência" e é composta por cinco painéis com imagens de arquivo "testemunhas das inúmeras destruições" para "perceber como foi organizada a reconstrução das localidades nos anos 1920".

Na Igreja Saint-Pierre, em La Couture, vai estar patente, de 9 de abril a 4 de maio, a exposição intitulada "O Corpo Expedicionário Português 1917-1919", organizada pela associação « L'Alloeu Terre de batailles 14-18 », com "cerca de cem imagens que revelam a vida quotidiana dos soldados portugueses nas trincheiras, assim como a organização da retaguarda no Pas-de-Calais e no Norte".

No mesmo local, vai estar visível um mural comemorativo da Batalha de La Lys, feito pelo clube de pintura de Bas Pays d'Artois.

Na localidade de Lillers, de 7 a 30 de abril, o destaque vai para os 19 painéis que compõem o chamado "Circuito de Memória" e que "acompanham a Batalha de la Lys e abordam diferentes facetas do conflito e vestígios ainda visíveis".

Em Neuve-Chapelle, a 7, 8, 14, 15 e de 21 de abril a 6 de maio, vai estar patente a exposição "Para a Pátria: Memória do CEP", de Afonso Maia, que é "uma dupla homenagem ao autor falecido recentemente e ao compromisso de Portugal no âmbito da Grande Guerra".

Numa capela da localidade de Saint-Venant, a 7, 8, 14, 15 e de 23 de abril a 1 de maio, a mostra "Abril 1918-Abril 2018 - Centenário da Batalha de La Lys" retrata os combates de abril através de arquivos provenientes de diários militares e alguns painéis sobre a presença das tropas portuguesas no setor de la Lys e de Béthunois em 1917 e 1918.

Em La Couture, a 8 de abril, vai haver um concerto de fado de Ana Laíns e uma refeição organizada pela associação L3C.

Ainda em La Couture, na sala de festas, a 12 de abril, vai haver a conferência 'As tropas portuguesas no norte de França, 1917-1919', animada por Bertrand Lecomte, presidente da associação L'Alloeu Terre de Batailles 14-18.

Também em La Couture, a 15 de abril, está marcada uma visita guiada em francês e em português sobre "a história e a arquitetura do monumento comemorativo português, inaugurado em 1928, que presta homenagem aos soldados portugueses".

Em Vieille-Chapelle, na sala do jardim de infância da escola des Deux-Rivières, a 14 de abril, está programada uma leitura de contos portugueses pela Associação dos Graduados Portugueses em França (AGRAFr).

Em Richebourg, a 15 de abril, na sala Dekeuwer, vai haver folclore e danças portuguesas, e, a 29 de abril, há uma visita guiada em francês e português ao cemitério militar luso.

Em Béthune, a 22 de abril, há uma visita guiada intitulada "The Place to B", realizada pela companhia Harmonika Zug, que propõe "acompanhar a história apaixonante da reconstrução do centro da cidade, vítima dos bombardeamentos dos alemães durante a Primeira Guerra mundial".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório