Meteorologia

  • 20 ABRIL 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 16º

Edição

Equipas de salvamento escavam escombros em busca de sobreviventes

Equipas de salvamento e voluntários procuram sobreviventes nos escombros dos edifícios de apartamentos e escolas que ruíram durante a noite, no mais mortal sismo no México desde 1985 e que provocou mais de 200 mortos.

Equipas de salvamento escavam escombros em busca de sobreviventes
Notícias ao Minuto

08:40 - 20/09/17 por Lusa

Mundo Sismo no México

Adicionando um toque amargo e surreal, o terramoto de magnitude 7.1 de terça-feira ocorreu no 32.º aniversário do sismo que matou milhares de pessoas e chegou apenas duas horas depois dos simulacros de abalos realizados em todo o México para assinalar a data.

Um dos esforços de resgate mais desesperados foi numa escola primária e secundária no sul da Cidade do México, onde uma ala do edifício de três andares colapsou. Os jornalistas ainda viram os socorristas tirar alguns pequenos corpos dos escombros.

O Departamento de Educação federal revelou no final da noite de terça-feira que 25 corpos foram retirados dos destroços da escola. Não ficou claro se as mortes foram incluídas no número total mortes relatadas pela agência federal de defesa civil. Saliente-se que o número de mortos tem estado a ser constantemente revisto. Ao início da manhã as autoridades reportavam mais de 220 mortos, pouco depois esse total subia para 248, passando para 217.

Durante uma visita ao local no início da noite, o presidente Enrique Peña Nieto disse que 22 corpos tinham sido retirados e as autoridades falaram de 30 crianças e oito adultos desaparecidos.

Uma mistura de voluntários do bairro, policiais e bombeiros usavam cachorros treinados e as mãos nuas para procurar nos escombros da escola. Uma multidão de pais ansiosos aguardava fora dos portões e houve relatos de que pelo menos duas famílias receberam mensagens de Whatsapp de meninas presas no interior, mas tal não foi confirmado.

O esforço de resgate continuou durante a noite, com o trabalho pontuado por gritos de "silêncio", para que as equipas pudessem escutar quaisquer pedidos de ajuda.

"Eles ouviram vozes ali", disse Peña Nieto.

Os socorristas tiveram que reforçar as lajes de cimento caídas com vigas de madeira para que não caíssem mais e acabassem com os pequenos espaços de ar que restavam.

Numa uma mensagem de vídeo divulgada no final do dia de terça-feira, Peña Nieto Pediu à população para permanecer calma, acrescentando que as autoridades estavam a fazer tudo para fazer chegar ajuda a todos, pois 40% da Cidade do México e 60% do estado próximo de Morelos estavam sem energia.

Mas, disse, "a prioridade agora é continuar a resgatar pessoas presas nos escombros e prestar ajuda médica aos feridos".

As pessoas na zona central do México já se reuniram para ajudar os vizinhos, pois dezenas de edifícios caíram e se transformaram em montes de escombros.

O prefeito da Cidade do México, Miguel Angel Mancera, disse que caíram edifícios em 44 locais na capital, enquanto outros altos prédios da cidade balançavam, ao mesmo tempo que centenas de milhares de pessoas em pânico saíram para as ruas, bloqueando o trânsito.

Coberto de poeira e exausto de cavar, Carlos Mendoza, 30 anos, disse que, num período de três horas de buscas, duas pessoas foram puxadas vivas das ruínas de um edifício de apartamentos em colapso no bairro de Roma Sur.

A alguns prédios de distância, Alma Gonzalez estava no seu apartamento do quarto andar quando o tremor de terra fez colapsar o piso térreo do edifício, deixando-a sem saída. Alma descreveu depois os momentos seguintes, em que vizinhos montaram uma escada no telhado e a ajudaram a escorregar por uma janela lateral.

Ela disse que estava aterrorizada até que as pessoas que moravam na casa vizinha montassem uma escada no telhado e a ajudassem a escorregar uma janela lateral.

O prefeito da Cidade do México diz que 50 a 60 pessoas foram resgatadas vivas por cidadãos e por pessoal dos serviços de emergência.

A agência nacional de defesa civil informou no início do dia de hoje que o número de mortos confirmados havia subido para 248, mais da metade na capital.

Na sua conta oficial do Twitter, o chefe da agência, Luis Felipe Puente, informou que 117 mortos foram confirmados na Cidade do México e 72 no estado de Morelos, que fica a sul da capital. Acrescentou que 43 mortos foram registados no estado de Puebla. Doze outras vítimas mortais foram registadas no estado do México, que rodeia a Cidade do México e três no estado de Guerrero.

O epicentro do sismo, que ocorreu na terça-feira às 13h14 (19h14 em Lisboa), foi registado na fronteira do estado de Puebla e Morelos (centro), a 51 quilómetros de profundidade, segundo o centro geológico norte-americano USGS.

O terramoto ocorreu depois de na semana passada (7 de setembro) um sismo de magnitude 8.2 - o mais forte desde 1932 -, ter causado 98 mortos no sul do país: 78 em Oaxaca, 16 em Chiapas e quatro em Tabasco.

O abalo de terça-feira, que causou o pânico na população, coincidiu com o 32.º aniversário do forte sismo que provocou milhares de mortos em 1985 e foi registado apenas duas horas depois de um simulacro de terramoto em todo o país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.