Meteorologia

  • 23 AGOSTO 2019
Tempo
27º
MIN 26º MÁX 30º

Edição

PGR da Guiné-Bissau apresenta pedido de demissão a presidente

O procurador-geral da República da Guiné-Bissau, Bacari Biai, apresentou hoje o seu pedido de demissão ao Presidente guineense, José Mário Vaz, na sequência das decisões tomadas na cimeira da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental.

PGR da Guiné-Bissau apresenta pedido de demissão a presidente

"Tendo-se chegado, por via política, através do alto patrocínio da organização comunitária, à conclusão de que uma das vias para alcançar tais desígnios [nacionais] é a minha substituição, considero então que estão esgotadas todas as condições para me manter em funções, pelo que apresento formalmente o meu pedido de demissão", refere Bacari Biai na carta hoje entregue ao presidente, José Mário Vaz, e distribuída à imprensa.

Na cimeira de chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, realizada sábado, em Abuja, na Nigéria, foi decidido que o Presidente guineense tem de nomear um novo procurador-geral da República e o novo Governo até quarta-feira.

Na carta, com data de sábado, Bacari Biai sublinha que estar à frente do Ministério Público obriga a um "elevado grau de sabedoria e coragem, principalmente no combate" à corrupção.

"No combate endógeno e exógeno deste flagelo angariamos inimigos inimagináveis, pois é transversal ao nosso tecido social, pelo que não nos admira que a nossa cabeça seja colocada a prémio na resolução de problemas estritamente políticos", salientou.

Segundo Bacari Biai, o primeiro sinal daquele desejo foi ter sido sancionado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental pelo "simples facto de exigir o cumprimento da lei".

"Também já era do nosso conhecimento as várias solicitações para a nossa substituição por motivos exclusivamente de agenda inconfessos, com o único fito de proteger os intocáveis", pode ler-se na carta.

O Ministério Público guineense determinou, no final da semana passada, a abertura de processos-crime contra o presidente do parlamento guineense e o líder da bancada parlamentar do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), por alegada subversão da ordem democrática.

Em causa está a resolução aprovada na quinta-feira pela maioria dos deputados do parlamento guineense, que determinava a cessação imediata das funções constitucionais do presidente da República, José Mário Vaz, que cumpriu cinco anos de mandato no dia 23 de junho, e a sua substituição no cargo pelo presidente do parlamento.

No despacho, com data de sexta-feira, o Ministério Público acusa Cipriano Cassamá, presidente da Assembleia Nacional Popular, e Califa Seidi, líder da bancada parlamentar do PAIGC de serem os "dois supostos mentores da tentativa de subversão da ordem democrática constitucionalmente consagrada".

A CEDEAO também deliberou que José Mário Vaz vai permanecer em funções até à eleição de um novo chefe de Estado - as eleições presidenciais estão marcadas para 24 de novembro -, tendo que deixar a gestão das questões governamentais para o primeiro-ministro, Aristides Gomes, e para o novo Governo.

Bacari Biai foi nomeado procurador-geral da República em novembro de 2017, quando ocupava funções como diretor-geral da Polícia Judiciária guineense.

Bacari Biai é licenciado em Direito e foi presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório