Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Trump não vai decretar emergência nacional por causa do muro. Por "agora"

O Presidente norte-americano declarou hoje que não tenciona decretar o estado de emergência nacional "agora" para construir o muro na fronteira com o México, ficando assim ultrapassado o cenário dos últimos dias, em que essa decisão parecia iminente.

Trump não vai decretar emergência nacional por causa do muro. Por "agora"
Notícias ao Minuto

22:22 - 11/01/19 por Lusa

Mundo EUA

"O que não vamos fazer agora é declarar uma emergência nacional. Não vou fazer isso tão cedo", disse Donald Trump à imprensa na Casa Branca, depois de se reunir com especialistas em segurança fronteiriça.

Trump repetiu nos últimos dias que "provavelmente" iria decretar o estado de emergência no país para redistribuir verbas militares destinando-as à construção de um muro na fronteira com o México, uma das suas promessas de campanha, justificando a decisão com a "crise fronteiriça" que os Estados Unidos vivem.

Desde 22 de dezembro que o chefe de Estado norte-americano insiste na inclusão no orçamento federal de verbas para a construção desse muro, uma proposta liminarmente rejeitada pela nova maioria democrata na Câmara de Representantes.

Perante a situação, Trump equacionou a ideia de decretar uma emergência nacional para poder reatribuir verbas militares à construção do muro, uma ameaça que repetiu na quinta-feira no Estado do Texas, numa zona limítrofe com o México.

Também houve críticas relacionadas com a possibilidade de, com tal declaração, Trump poder desviar fundos destinados à recuperação de catástrofes naturais, como os furacões que devastaram Porto Rico, para financiar a construção do muro na fronteira com o México.

Contudo, hoje, o Presidente norte-americano deu um passo atrás e pediu ao Congresso "que faça o seu trabalho", ao mesmo tempo dizendo à bancada democrata que regresse a Washington D.C. e vote.

A maioria dos senadores e dos membros da Câmara de Representantes foram para as respetivas terras natais, longe de Washington, apesar de a paralisação parcial ("shutdown") ter hoje entrado no seu 21.º dia.

O plano de Trump de obter o dinheiro para o muro através de uma ordem executiva, que inicialmente foi encarado como uma medida radical entre os republicanos, começou a reunir apoios entre os membros do seu partido, incluindo o do senador Lindsey Graham, um dos mais influentes na câmara alta do Congresso norte-americano.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, também se mostrou favorável e bloqueou as propostas democratas da Câmara de Representantes para reabrir a parte da administração federal encerrada por falta de orçamento.

O Governo de Trump enfrenta desde 22 de dezembro o encerramento de 25% da administração, uma situação que afeta cerca de 800.000 funcionários públicos, que deixaram de receber os respetivos salários, e que tem perturbado o funcionamento de diversos espaços turísticos e a atividade de agências às quais não foram atribuídas mais verbas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório