Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 11º

Edição

Foi "a coragem", e não uma rede social, que elegeu Ocasio-Cortez

A jovem latino-americana Alexandria Ocasio-Cortez não foi eleita para o Congresso dos Estados Unidos pelas redes sociais, mas porque teve "a coragem" de representar "as pessoas normais", explicou a sua gestora de campanha, em Lisboa.

Foi "a coragem", e não uma rede social, que elegeu Ocasio-Cortez
Notícias ao Minuto

18:55 - 06/12/18 por Lusa

Mundo EUA

Em declarações à Lusa, Virginia Ramos frisou que as redes sociais prepararam o terreno e permitiram àquela que será a mais jovem congressista de sempre "fazer passar a mensagem, que os média tradicionais não tinham interesse em cobrir".

Mas nenhuma rede social pode substituir o real envolvimento das pessoas, nomeadamente participando nas eleições, assinala, recordando que a candidata conseguiu mobilizar os eleitores.

Ex-empregada de mesa de um restaurante mexicano, Alexandria Ocasio-Cortez tornou-se, aos 29 anos, na mais jovem congressista alguma vez eleita nos Estados Unidos.

À margem de um debate sobre a ameaça que as 'fake news' (notícias falsificadas) e o discurso do ódio representam para a democracia, no quadro das jornadas dos socialistas e democratas europeus, reunidos em Lisboa, a gestora de campanha confessa que ficou surpreendida quando ouviu falar de Alexandria Ocasio-Cortez pela primeira vez.

Mas, no final da campanha para as eleições intercalares de novembro, já havia indícios fortes de que era possível que a latino-americana viesse a ser eleita. "O que foi surpreendente foi a dimensão da vitória", confessa.

Quando der entrada na Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso), Alexandria Ocasio-Cortez "vai focar-se no ´green new deal'", proposta económica ecológica que defende a passagem dos combustíveis fósseis para as energias renováveis, inspirada na série de reformas adotadas pelo ex-Presidente Franklin D. Roosevelt.

Durante a campanha, Alexandria Ocasio-Cortez fez declarações assertivas sobre o acolhimento de migrantes e defendeu a abolição da Immigration and Customs Enforcement (ICE, na sigla em inglês), estrutura para controlo das migrações criada após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A futura congressista -- realça Virginia Ramos -- é a favor de "uma receção acolhedora rumo à cidadania" daqueles e daquelas que procuram uma vida melhor nos Estados Unidos. Durante a campanha, acusou a Administração de Donald Trump de ser "criminosa" no tratamento dos imigrantes.

Às críticas feitas à sua retórica, a gestora de campanha responde que "é preciso falar às pessoas através de histórias e imagens, para atrair a atenção daqueles que estão alheados do processo político, para os trazer de volta".

Além disso, há "uma distinção enorme entre ela e o [atual] Presidente". "Ela é encorajadora para todos os cidadãos, sem deixar ninguém de lado", sublinha.

"Com a eleição de Trump, descobrimos que temos resquícios racistas e classistas na nossa sociedade, que temos de revelar, discutir e dissipar", defende Virginia Ramos.

Candidata da ala mais à esquerda do Partido Democrata (que saiu da campanha de Bernie Sanders, que perdeu para Hillary Clinton), Alexandria Ocasio-Cortez conquistou o 14.º distrito, bairro da cidade de Nova Iorque pelo qual concorreu, angariando 78% dos votos.

As eleições intercalares americanas tiveram um número recorde de mulheres candidatas, em particular nas fileiras da oposição democrata, um ano após o movimento #MeToo, que trouxe para a praça pública denúncias da violência e assédio sexual contra mulheres em várias esferas da sociedade.

Entre as que mais se destacaram, estão as Democratas do Kansas, Sharice Davids, e do Novo México, Deb Haaland, que se tornaram as primeiras congressistas ameríndias, e também as Democratas Ilhan Omar e Rashida Tlaib, respetivamente do Minnesota e do Michigan, que se tornaram as primeiras mulheres muçulmanas eleitas para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

Virginia Ramos acredita que o panorama político nos Estados Unidos "vai começar a mudar".

Os candidatos às eleições "são ricos, quando não milionários", reflete. "Precisamos de gente normal, que represente os trabalhadores comuns", contrapõe.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório