Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Interesse da China por África despertou as outras potências

O primeiro-ministro argelino afirmou hoje, em Lisboa, que o interesse da China por África criou "dinâmica económica" e despertou o interesse da Europa e de outros continentes para uma região anteriormente pouco apelativa.

Interesse da China por África despertou as outras potências
Notícias ao Minuto

21:42 - 03/10/18 por Lusa

Mundo Argélia

A China já tem uma presença "substancial" na Argélia, em setores como a construção e o desenvolvimento económico e o país magrebino é signatário do memorando de entendimento relativo à nova Rota da Seda, uma ambiciosa iniciativa chinesa de infraestruturas de transportes para facilitar o comercio entre Ásia, Europa e África, lançada pelo Presidente chinês Xi Jinping.

"Pensamos que a África ganhou muito com isto. Antes dos chineses terem chegado, com a sua ajuda, o seu interesse pelas matérias-primas (...) muitas outras regiões desenvolvidas do mundo olhavam para África com pouco interesse", disse, em entrevista à Lusa, Ahmed Ouyahia, que hoje visitou Portugal, no âmbito da V Cimeira Luso-Argelina.

"No nosso caso, somos um país possuidor de alguns recursos próprios como o petróleo, os chineses têm vindo trabalhar, fazemos contratos e pagamos no fim. Noutros países africanos, têm ajudado África a desenvolver-se com recurso ao crédito e comprando matérias primas. Desde que a China esta cá [África], criou uma dinâmica, importante para África e para o resto do mundo", sublinhou o governante argelino.

A China apoiou a revolução argelina contra a França, da qual resultou, há 56 anos, a independência da Argélia, e é atualmente o seu principal parceiro económico.

A cooperação económica, concretizada em 13 acordos em diversas áreas, foi um dos principais temas do encontro que Ahmed Ouyahia teve hoje com o seu homólogo António Costa, mas os dois governos comprometeram-se também a reforçar a cooperação policial e aprofundar os mecanismos de prevenção e combate à criminalidade organizada e terrorismo.

"Uma ameaça que existe em todos os países", lembrou o primeiro-ministro argelino, mas que "a Argélia praticamente conseguiu acabar" após 15 anos de luta.

Questionado sobre as migrações, outro tema que tem dominado a agenda política europeia, disse que Portugal e Argélia têm uma visão convergente sobre o assunto.

"O problema não é levantar muros, é de gerir e resolver as suas razões [das migrações]", salientou o primeiro-ministro argelino, acrescentando que o tema do desenvolvimento tem estado ausente na análise deste problema.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório