Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 16º

Edição

Há setores do PS que veem Bloco como "problema para a maioria absoluta"

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, considera que há setores do PS que entendem que o BE "pode ser um problema para o objetivo da maioria absoluta" nas próximas eleições legislativas, o que justifica "algum tipo de crispação".

Há setores do PS que veem Bloco como "problema para a maioria absoluta"
Notícias ao Minuto

06:37 - 09/11/18 por Lusa

Política Catarina Martins

Em entrevista à agência Lusa na véspera da XI Convenção Nacional do BE - que decorre no sábado e no domingo, em Lisboa -, Catarina Martins garante que "o Bloco é o que sempre foi, mas com mais força faz-se mais caminho".

"Há talvez setores do PS que consideram que o Bloco de Esquerda pode ser um problema para o objetivo da maioria absoluta e tenham decidido que ganhariam alguma coisa com algum tipo de crispação", responde, quando questionada sobre a subida de tom e crítica dos socialistas em relação aos bloquistas.

No entanto, a líder do BE ressalva que "não é toda a gente que pensa assim no PS", uma vez que já compreenderam que há "um acordo para cumprir e que o Bloco manteve exatamente a mesma postura todos os dias, independentemente das flutuações de outros lados".

Sobre se António Costa está no grupo dos que encaram o BE como um problema para as próximas eleições, Catarina Martins diz querer pensar que o primeiro-ministro está empenhado em concluir a legislatura.

"Eu quero pensar que o senhor primeiro-ministro está tão empenhado como eu em levar a legislatura até ao fim, no cumprimento dos acordos que fizemos em 2015 e indo mais além deles, sempre que é possível", afirma.

À pergunta se o BE e o PCP são hoje partidos mais próximos ou mais antagonizados, Catarina Martins responde, primeiro, que é preciso valorizar "muito o trabalho e a convergência" com os comunistas.

"Registo que mantemos diferenças profundas - e para nós amargas - como, por exemplo, o PCP não ter apoiado a despenalização da morte assistida e permitir à direita chumbar um projeto que é uma ambição do país", lamenta.

No entanto, a deputada do BE assinala "também que em matérias como a adoção por casais do mesmo sexo, a posição do PCP tem vindo a evoluir e deu alguns passos que há uns anos se acharia impossível dar", tendo a expectativa que o partido "faça parte das ideias progressistas também no campo dos direitos e liberdades individuais".

A XI Convenção Nacional, reunião magna do partido que começa no sábado, é, para Catarina Martins, "um momento de balanço", precisamente no dia em que passam três anos sobre a assinatura dos acordos que viabilizaram o Governo minoritário do PS.

"É verdade que é um momento em que o Bloco se confronta com as próprias responsabilidades que teve, acrescidas, e também que coincide com o momento em que já há uma colaboração estreita, pensada, quotidiana entre uma geração mais nova dirigente porque o Bloco nestes últimos anos procedeu a uma enorme renovação", destaca.

Para a dirigente, "o BE tem neste momento uma convergência grande de direção sobre os caminhos que tem de seguir", desvalorizando qualquer impacto da polémica que envolveu o antigo vereador bloquista na Câmara de Lisboa, Ricardo Robles.

"O BE considera que Ricardo Robles errou, reconheceu o erro e em 72 horas tínhamos mudado o vereador, mas não teve nenhum comportamento ilegal. Nós reconhecemos os erros e corrigimos, mas não houve sequer nenhum comportamento ilegal. Não sei se há muitos partidos que tenham o mesmo comportamento que o Bloco", aponta.

A Convenção acontece no ano em que o partido perdeu uma das suas figuras de destaque, o antigo coordenador João Semedo - que partilhou com Catarina Martins, entre 2012 e 2014, a liderança 'bicéfala' - e que morreu em julho último.

"O João foi muito mais, na política, do que esses dois combates [Lei de Bases da Saúde e despenalização da eutanásia) que foram os últimos e que foram muito importantes. Foi a capacidade de interlocução, de criar pontes. Foi saber que a determinação na política do programa nunca é o sectarismo, nunca é dizer que não conseguimos construir pontes ou dialogar com outros", elogia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório