Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

"Para os professores este Governo morreu"

Os docentes não vão desistir de lutar pela recuperação integral do tempo de serviço, mantendo Governo e PS como "alvo" da contestação, avisou a Fenprof, que agora se vira para o parlamento, "porque para os professores este Governo morreu".

"Para os professores este Governo morreu"
Notícias ao Minuto

20:28 - 07/03/19 por Lusa

País FENPROF

"Como se irá verificar no próximo dia 23 de março os professores vão estar na rua exigindo aquilo que é seu. O facto de o Governo ter aprovado o decreto-lei não vai retirar nenhuma pressão dos professores nem sobre o Governo nem sobre o PS. Os professores não vão alterar o alvo da sua exigência só porque o Governo lavou as mãos roubando seis anos e meio de vida profissional aos professores", disse o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, numa declaração aos jornalistas a propósito da aprovação hoje em Conselho de Ministros do decreto-lei de recuperação parcial do tempo de serviço congelado.

O diploma, que Mário Nogueira frisou nunca ter sido dado a conhecer aos sindicatos nas reuniões de negociação com o executivo e que permanece uma incógnita mesmo após a aprovação em Conselho de Ministros, prevê apenas a recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias do tempo congelado entre 2011 e 2017, ou seja, a mesma proposta que o Governo já tinha aprovado unilateralmente no final de 2018, que o Presidente da República (PR), Marcelo Rebelo de Sousa, vetou e que levou o parlamento a reinscrever no Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) a norma que impunha uma solução negociada.

Ao aprovar a mesma proposta uma segunda vez, a Fenprof entende que o Governo "perpetrou um roubo" de seis anos e meio de vida profissional aos docentes, ao não contar os nove anos, quatro meses e dois dias exigidos e dos quais, reiteriu Mário Nogueira, "não irão abdicar".

"Podem aprovar as vezes que quiserem, há uma coisa que garantimos: vamos conseguir que o tempo de serviço cumprido seja respeitado. O que o Governo hoje fez foi um desrespeito pelos professores, pela negociação - porque aprovou um decreto lei que não foi, de facto, negociado -, um desrespeito pela lei do OE para 2019 e um desrespeito pela Assembleia da República", disse o líder da Fenprof.

É para o parlamento que os professores agora se viram, mais até do que para o PR, de quem esperam uma promulgação tão rápida quanto possível. Rapidez é, aliás, o que também pedem ao Governo.

"A rapidez com que o Governo aprovou o decreto-lei depois de uma falsa negociação seja a mesma velocidade com que o Governo vai enviar [o diploma] para o PR, com que o PR promulgue e que seja publicado em Diário da República. Nós queremos isso. Não porque defendamos o apagão de mais de seis anos e meio, mas porque entendemos que com o Governo acabou. O Governo caiu num descrédito completo, para os professores este Governo morreu", disse.

"Aquilo que agora temos é que recuperar o tempo profissional dos professores e hoje a instância é claramente a AR, sem que nunca nos esqueçamos de quem foi quem concretizou o roubo e que foi o Governo do PS", acrescentou Mário Nogueira, que acredita haver condições no parlamento para um entendimento favorável aos professores.

Entre a maioria dos partidos representados na AR, disse Nogueira, incluindo o PSD, "há uma maioria de deputados que defendem o princípio de que os professores devem ver recuperado todo o tempo de serviço", sendo essa a questão mais importante neste momento.

"Encontrar a solução concreta é o momento seguinte", disse, lembrando que a petição com mais de 60 mil assinaturas hoje entregue era já o contributo dos sindicatos para uma solução, com propostas que passam pela contagem do tempo com efeitos na carreira, na dispensa de vagas para acesso a escalões ou, aquela que muitos professores no topo da carreira preferiam, uma aceleração para a aposentação.

Mário Nogueira afirmou que "a luta dos professores vai fazer a diferença", desde logo a manifestação nacional de 23 de março, para a qual espera uma grande mobilização, mas todas as outras que possam ser decididas pelos docentes nos plenários sindicais que arrancam já na próxima semana.

Já hoje, em comunicado, a Federação Nacional de Educação (FNE) tinha assumido uma posição semelhante, rejeitando o que hoje foi aprovado em Conselho de Ministros e apelando para a "fortíssima participação" na manifestação de 23 de março, em Lisboa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório