Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

BE considera "uma vergonha" visita de Netanyahu a Portugal

O BE considerou hoje "uma vergonha" a visita a Portugal do primeiro-ministro israelita, um "corrupto e criminoso de guerra", com o PCP a condenar o país como "cicerone no guião para a guerra como foi com o Iraque".

BE considera "uma vergonha" visita de Netanyahu a Portugal

Nas declarações políticas que hoje decorrem no parlamento, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, criticou o facto de "daqui a poucas horas o primeiro-ministro israelita", Benjamin Netanyahu, aterrar em Portugal para uma visita que considerou ser, em primeiro lugar, "uma vergonha para o país".

"Benjamin Netanyahu não é só um primeiro-ministro israelita. Corrupto, criminoso de guerra, colonialista, todos os dias atenta contra resoluções das organizações das Nações Unidas e vem cá a Portugal à procura de aliados para a criação de um novo 'apartheid' naquela região para garantir que consegue a anexação final do Vale do Jordão", condenou.

Se "o Reino Unido negou ser o cicerone da reunião de Benjamin Netanyahu com o secretário de Estado norte-americano", na perspetiva do líder parlamentar bloquista, a "pergunta é porque é que Portugal se disponibilizou para esse papel".

"Porque é que lhe dá um carimbo de visita de Estado, vendo a reunião com o primeiro-ministro e com o ministro dos Negócios Estrangeiros? E eu creio que a pergunta que fica do dia de hoje é se o Governo do PS quer reeditar o modelo da triste fotografia da cimeira das Lages?", questionou.

No pedido de esclarecimentos à intervenção do BE, a deputada do PCP Alma Rivera optou por contestar "a vinda do primeiro-ministro israelita a Portugal para a reunião com Mike Pompeo que será dedicada, uma vez mais, à coordenação de ações de destabilização do Médio Oriente".

"Não podemos ignorar a situação escandalosa em que Portugal se prepara para ser, mais uma vez, o cicerone no guião para a guerra como foi com o Iraque", acusou.

Na resposta, além de reiterar as ideias já defendidas, Pedro Filipe Soares considerou esta visita particularmente incompreensível "num momento em que quem está à frente das Nações Unidas é António Guterres".

"Se é assim que se respeita este mandato, o PS terá muito que alinhar internamente para chegar a algum tipo de conclusão. É um erro rotundo até para a forma como Portugal se tem internacionalmente afirmado como um país que defende os direitos humanos e a lei internacional", criticou.

Também André Silva, do PAN, sublinhou também a "concordância com a grande maioria das afirmações" feitas por BE e PCP "quanto às políticas prosseguidas por Israel".

O primeiro-ministro, António Costa, vai receber em São Bento, na quinta-feira, o seu homólogo israelita, Benjamin Netanyahu, que se desloca a Portugal em visita de trabalho, disse na terça-feira à agência Lusa fonte oficial do executivo português.

A mesma fonte indicou que a reunião entre António Costa e Benjamin Netanyahu terá como tema central as relações bilaterais entre Portugal e Israel, adiantando que não estão previstas declarações aos jornalistas.

Na mesma quinta-feira, António Costa terá também um encontro com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, igualmente na residência oficial do primeiro-ministro.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, chega esta quarta-feira a Lisboa para uma visita de trabalho, durante a qual também irá reunir-se com o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse hoje à Lusa fonte oficial da embaixada de Israel.

Mike Pompeo anunciou no passado dia 29 de novembro que estaria em Lisboa, no final desta semana.

Além do primeiro-ministro português, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos tem previsto um encontro na capital portuguesa com o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório