Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2018
Tempo
25º
MIN 25º MÁX 26º

Edição

ONG quer peritos a avaliar repressão sobre dissidentes no Tibete

A repressão do governo chinês das manifestações pacíficas no Tibete deve ser analisada por especialistas em direitos humanos das Nações Unidas, defendeu hoje a Human Rights Watch, que compilou novos casos e sentenças contra tibetanos.

ONG quer peritos a avaliar repressão sobre dissidentes no Tibete
Notícias ao Minuto

07:08 - 09/03/18 por Lusa

Mundo Repressão

Seis especialistas da ONU apelaram, em fevereiro, à libertação do ativista e promotor da língua tibetana Tashi Wangchuk, acusado por um tribunal chinês por "incitar ao separatismo".

De acordo com o Centro Tibetano para os Direitos Humanos e a Democracia (TCHRD), também o veterano Tsegon Gyal foi condenado a três anos de prisão pelas mesmas razões.

Estes casos, sem "qualquer base legal", revelam um padrão de "detenções arbitrárias e inexplicáveis", avançou o Observatório.

"A China deve convidar especialistas dos direitos humanos da ONU a avaliar a prisão de muitos tibetanos que se encontram com acesso negado à visita de familiares e advogados, que são maltratados e injustamente condenados", disse a diretora do Observatório dos Direitos Humanos da China, Sophie Richardson.

É difícil avaliar quantos tibetanos estão ou foram presos nos últimos anos por pontos de vista dissidentes, explicou a diretora, uma vez que as informações sobre as sentenças são muito restritas e as pessoas que as denunciam "põem-se em risco".

"A situação no Tibete continuará a deteriorar-se enquanto as autoridades chinesas impediram os tibetanos de exercer direitos básicos", afirmou Richardson.

Um novo relatório da Human Rights Watch apresenta mais de 30 casos de presos políticos no Tibete, entre 2016 e 2018.

Com apenas cerca de três milhões de habitantes, os independentistas tibetanos constituem grande parte da população e contestam a ocupação do território por parte da China.

Por outro lado, Pequim considera que a região, que tem uma área equivalente ao dobro da Península Ibérica é, desde há séculos, parte do território chinês.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório