Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2019
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 23º

Edição

Vieira da Silva mantém "esperanças" na conversação com camionistas

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, disse hoje que "não perdeu as esperanças no esforço de conversação" com os representantes dos camionistas, mas garantiu que "o Governo está preparado para o que vier a acontecer".

Vieira da Silva mantém "esperanças" na conversação com camionistas
Notícias ao Minuto

17:01 - 17/07/19 por Lusa

Economia Ministro

"O Governo está especialmente empenhado em continuar a apelar às partes para ser possível encontrar soluções que não gerem situações que são penalizadoras para o país, para a economia do país, para o bem-estar das famílias e, creio eu, até para os trabalhadores deste setor. E o Governo está também empenhado em estar preparado para o que vier a acontecer", disse Vieira da Silva.

Convidado a comentar se não teme que se repita o cenário de greve e de bloqueio de bombas de gasolina que se registou no início de abril, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apontou que "respeitará as decisões tomadas", mas "não perdeu as esperanças" face à conversação.

"Não perdi de todo as esperanças, numa linha que foi seguida ao longo dos últimos meses, continuar este esforço de conversação", disse o governante que falava aos jornalistas em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, à margem da inauguração das novas instalações do centro de formação da Salvador Caetano.

"O Governo respeitará as decisões que as partes tomarem desde que elas sejam, naturalmente, tomadas no âmbito restrito da lei e do Estado democrático, mas também utilizará todos os instrumentos que o Estado democrático tem ao seu dispor para salvaguardar interesses que são interesses maiores do país que é garantia do acesso aos serviços pela generalidade das famílias", acrescentou.

Vieira da Silva apontou que, neste momento, em causa estão "divergências quanto a algo que acontecerá em 2021" porque, disse, "as condições negociadas para 2019 e para 2020 já chegaram a entendimento", razão pela qual voltou a apelar ao consenso.

"Acho que os portugueses e portuguesas não compreenderiam que entrássemos numa zona de conflito com consequências complexas porque ainda não se atingiu um entendimento acerca do que se vai passar daqui a dois anos. Julgo que isso seria incompreensível", referiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório