Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2019
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Opções do Governo têm sacrificado "investimento público estruturante"

O Presidente da República afirmou hoje, em Porto de Mós, que as opções do Governo no plano económico e financeiro têm levado ao adiamento de algum investimento público estruturante.

Opções do Governo têm sacrificado "investimento público estruturante"
Notícias ao Minuto

16:55 - 13/11/18 por Lusa

Economia Presidentes

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que as opções do Governo de conjugar o rigor orçamental com medidas corretoras de assimetrias sociais e de aliar a procura de maior protagonismo das exportações com a manutenção do incentivo ao consumo interno têm implicado "sacrifício ou adiamento de algum investimento público estruturante".

Para o Presidente da República, as posições no plano económico e financeiro em Portugal não se identificam "totalmente com a divisão entre a área do Governo e a área das oposições".

Marcelo Rebelo de Sousa falava em Porto de Mós (distrito de Leiria), durante a sessão de abertura do primeiro Encontro da Fundação Batalha de Aljubarrota, intitulado "Portugal Independente - A partir da sua história, que futuro desejável para Portugal?".

Segundo o chefe de Estado, "na área das oposições não tem havido uma mudança apreciável quanto à linha adotada na governação precedente".

No entanto, frisou, é preciso estar alerta quanto ao surgimento de propostas populistas no país.

"Temos de estar atentos. Não vá acontecer que, em qualquer das áreas consideradas, um ou outro sinal similar a processos emergentes noutras paragens possa surgir com promessas públicas e sociais generosas juntas a uma expectativa criada na opinião pública quase ilimitada", vincou Marcelo Rebelo de Sousa.

Num discurso em que evocou o passado para falar do presente e do futuro, o Presidente da República alertou para a necessidade de não se desbaratar ou esquecer a língua, o mar, as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo ou a capacidade de acolhimento e inclusão.

Marcelo apelou a consensos, nomeadamente em áreas como a educação, a coesão social ou na sustentabilidade de uma economia aberta e competitiva e defendeu a necessidade de aproximação dos portugueses às Forças Armadas e forças de segurança.

Num discurso que durou cerca de 30 minutos, o Presidente chamou ainda a atenção para a dificuldade em alcançar um consenso no domínio da justiça.

"É com algum lamento que verifico ser hoje quase impossível o consenso no domínio da justiça. É um sinal de fragilidade do Estado de Direito democrático em Portugal", declarou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório