Meteorologia

  • 19 JULHO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 18º

Edição

PAN apela à desobediência civil face à decisão de se manter garraiada

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) apelou hoje à "desobediência civil" dos estudantes de Coimbra, após o Conselho de Veteranos ignorar o referendo que determinava o fim da garraiada na Queima das Fitas.

PAN apela à desobediência civil face à decisão de se manter garraiada
Notícias ao Minuto

21:40 - 22/03/18 por Lusa

Política Coimbra

O Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra decidiu, na quarta-feira, que a garraiada vai permanecer na Queima das Fitas de Coimbra, ignorando a decisão do referendo promovido a 13 de março, onde 70,7% dos estudantes votaram pelo seu fim.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o PAN sublinha que a decisão "reflete uma posição autoritária, conservadora e anti-democrática", apelando à desobediência civil dos estudantes de Coimbra.

"Se os resultados dos fóruns cívicos são ignorados de forma arrogante, então estamos a perder a nobreza que lhes atribuiu legitimidade no passado (...). E é por isso que o PAN se junta aos estudantes de Coimbra num apelo subversivo contra esta decisão que não foi tão pouco comunicada com uma argumentação coerente que a justifique", afirmou o deputado do PAN, André Silva, citado no comunicado.

Para o partido, a posição revela "um total desrespeito pelos estudantes e pela larga parcela da população portuguesa que aguarda expectante por um sinal claro de uma academia preparada para acompanhar as mudanças sociais que já estão em curso".

A direção-geral da Associação Académica de Coimbra (AAC) já afirmou que "fará cumprir intransigentemente a decisão democrática dos estudantes e que a defenderá até às últimas consequências".

Também hoje, o movimento estudantil Queima das Farpas, que tem lutado contra o fim da garraiada em Coimbra há vários anos, afirmou que a decisão do Conselho de Veteranos desrespeita "a vontade de milhares de estudantes expressa em referendo, numa atitude autocrática sem precedentes na academia".

"Neste momento, urge desencadear os mecanismos que reponham a justiça e democracia, honrando a vontade da maioria estudantil", apelou o movimento.

O líder do Conselho de Veteranos - dux veteranorum -, João Luís Jesus, referiu que estiveram presentes na votação 27 veteranos, recusando-se a dizer se a decisão da manutenção da garraiada foi aprovada por unanimidade.

O dux do Conselho de Veteranos afirmou também que tem "considerações a fazer sobre esta decisão", mas que apenas na sexta-feira irá prestar declarações sobre a votação.

Um dos veteranos presentes na reunião, Paulo Nogueira Ramos, que votou a favor da decisão do referendo, afirmou à agência Lusa que houve 14 votos contra o referendo, 11 a favor e duas abstenções.

Inicialmente, houve uma votação com 28 veteranos, com 16 votos contra a decisão do referendo, sendo que o dux, por achar que poderia "ter havido uma falta de noção" sobre o sentido de voto, optou por uma recontagem, já depois de um dos elementos ter saído da sala, explicou.

"O dux fez a proposta para se seguir a decisão dos estudantes", disse o veterano de Psicologia, sublinhando que, no meio da discussão, havia quem debatesse o facto de "a garraiada ser ou não justa, quando não era disso que se tratava - era se concordávamos e respeitávamos a opinião dos estudantes".

A imagem do Conselho de Veteranos "está altamente prejudicada com esta situação toda. 14 pessoas acabaram por dizer que o peso delas importava mais que o peso de muitas mais pessoas", lamentou.

O referendo promovido a 13 de março contou com uma participação de 5.638 estudantes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.