Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2018
Tempo
30º
MIN 29º MÁX 31º

Edição

Sabe o que pensa o IPO sobre o uso medicinal da canábis?

O administrador do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa defende mais estudos sobre as repercussões do uso da canábis para fins terapêuticos e duvida que o hospital venha a ter uma plantação para uso nos doentes.

Sabe o que pensa o IPO sobre o uso medicinal da canábis?
Notícias ao Minuto

05:00 - 18/03/18 por Lusa

País Oncologia

O administrador do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa defende mais estudos sobre as repercussões do uso da canábis para fins terapêuticos e duvida que o hospital venha a ter uma plantação para uso nos doentes.

"Francamente gostaria de ver um pouco mais estudadas as eventuais repercussões negativas, ou ausência delas, para que isso, de facto, pudesse acontecer", disse Francisco Ramos, que dirige um dos hospitais que atende mais doentes com cancro.

O cancro é uma das doenças para a qual os defensores do uso da canábis para fins terapêuticos identificam benefícios nesta prática, nomeadamente no alívio da dor.

"Enquanto matéria-prima para depois ser usada na produção de um medicamento de efeitos controlados e estudados, nenhum problema. Outra coisa é usar a canábis de forma artesanal", disse.

Ressalvando que, do ponto de vista do IPO, não deve ter sequer nenhuma posição sobre isso, Francisco Ramos vaticina: "Nunca vamos ter nenhuma plantação de canábis no IPO para uso nos nossos doentes".

O administrador defende mais conhecimento e recorda que "um hospital de referência tem de usar apenas técnicas perfeitamente demonstradas e não técnicas avulso".

"É preciso conhecer mais. A vantagem que nós temos nesta forma de prestação de cuidados de saúde é que em 99,99% das soluções que adotamos são coisas que alguém já estudou, que alguém já se preocupou em saber quais os impactos positivos e negativos", frisou.

Por essa razão, acrescentou, é que "é tão caro". "O nível de preparação daquilo que usamos é tão grande que naturalmente aumenta os custos, mas também nos dá alguma grande tranquilidade quando usamos".

"Por enquanto, não me parece que seja expectável que alguém saia do IPO com uma receita de uma infusão de canábis para aliviar a sua dor, com o máximo respeito por quem defende essa teoria", concluiu.

O uso medicinal da canábis tem gerado controvérsia, com a Ordem dos Farmacêuticos a manifestar-se contra, alegando falta de dados científicos que comprovem a sua eficácia e segurança, e a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) a concordar sob condições controladas e específicas. 

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, concorda com o uso da canábis para fins terapêuticos, desde que bem regulado e com enquadramento rigoroso.

A Ordem dos Médicos reconheceu, num parecer, que existe forte evidência da eficácia da canábis nalguns usos terapêuticos, nomeadamente no alívio da dor crónica em adultos, na esclerose múltipla, no controlo da ansiedade e como antivomitivo no tratamento do cancro.

Contudo, avisa que a sua prescrição deve ser exclusivamente médica, enquanto medicamento e não na forma fumada, por esta não estar suficientemente estudada em termos científicos.

O parecer, a cargo do Conselho Nacional da Política do Medicamento da Ordem dos Médicos, aponta para uma associação entre o consumo de canábis e o desenvolvimento de dependência, esquizofrenia e outras psicoses, bem como agravamento de dificuldade respiratória.

Na origem deste debate estão dois projetos de lei, um do Bloco de Esquerda (BE) e o outro do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), que preveem o auto cultivo da planta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório