Meteorologia

  • 05 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 31º

"Direito ao esquecimento". Deco defende aplicação a seguros de saúde

A associação de defesa do consumidor Deco defendeu hoje, no parlamento, que o diploma pelo "direito ao esquecimento" abranja também os seguros de saúde.

"Direito ao esquecimento". Deco defende aplicação a seguros de saúde
Notícias ao Minuto

20:54 - 01/06/21 por Lusa

País Diploma

"O diploma deve ser redigido para que também seguros de saúde estejam incluídos no diploma", disse o economista da Deco Vinay Pranjivan na audição na comissão de orçamento e finanças.

O responsável considerou que não faz sentido "a sensação de cadastro" que as pessoas que tiveram doenças graves têm no acesso a seguros de vida (por exemplo, para efeitos de crédito à habitação), mas também a seguros de saúde.

Vinay Pranjivan afirmou ainda que é "importante deixar muito claro o que deve ser entendido como pessoas que tenham superado doença grave", seja pelo legislador ou pela autoridade de seguros, sob pena de desvirtuar as pretensões do legislador e não ter aplicabilidade prática.

A Deco defendeu que pessoas com grau de deficiência inferior a 60% também devem estar abrangidas pelo diploma. Para pessoas com grau de de deficiência igual ou superior a 60% já existe um regime favorável próprio.

Em 14 de maio, o parlamento aprovou, na generalidade, o projeto-lei do PS que pretende consagrar o "direito ao esquecimento", impedindo que pessoas que tenham superado doenças graves, como cancro, sejam discriminadas no acesso ao crédito ou seguros.

Em 27 de maio, o Centro Anti-Discriminação (CAD) apresentou uma proposta para que o projeto-lei abranja também pessoas com VIH.

"O que nós queremos é uma formulação mais genérica da lei que possa englobar não apenas doenças que estão efetivamente curadas e superadas, mas ainda outras doenças em que a medicação que existe hoje em dia, e no caso concreto do VIH a medicação antirretroviral, tem efeitos muito positivos na qualidade de vida das pessoas", explicou à Lusa Rita Canaveira, responsável pelo apoio jurídico do CAD.

O que o CAD pretende, especificou, é que estas doenças sejam equiparadas às que já se encontram "no estatuto de ultrapassadas".

Leia Também: Deco quer legislação contra fraudes para bloquear sites estrangeiros

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório