Meteorologia

  • 16 AGOSTO 2018
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 18º

Edição

Portugal, "um país de recuo" de redes jihadistas, diz Eurojust

Portugal é visto como "um país de recuo" de grupos jihadistas e aumentaram, em 2017, os casos associados ao terrorismo em que o país foi chamado a cooperar com a Unidade de Cooperação Judiciária da União Europeia (Eurojust).

Portugal, "um país de recuo" de redes jihadistas, diz Eurojust
Notícias ao Minuto

14:13 - 20/06/18 por Lusa

País Cooperação

Estes dados foram fornecidos hoje pelo representante português no Eurojust, António Cluny, na apresentação do relatório anual de 2017 deste organismo aos deputados da comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, na Assembleia da República, em Lisboa.

"Temos vindo a ser envolvidos em vários casos, uma vez que parece poder concluir-se que Portugal servirá como área de recuo para algumas dessas redes" associadas pelas autoridades a terrorismo, afirmou.

Sem entrar em pormenores, António Cluny disse que tem sido pedido às autoridades informações sobre "qual a atividade de alguns grupos e de pessoas em concreto" em Portugal.

O relatório anual refere que, em relação aos tipos de crimes abrangidos pelas Equipas de Investigação Conjuntas (EIC) houve um aumento significativo dos casos de terrorismo, passando para oito em 2017, contra apenas um em 2016.

Quanto ao tipo de crimes mais tratados pela Eurojust, a fraude ocupa o primeiro lugar com 700, seguido pelo branqueamento de capitais (315) e de grupo criminoso organizado móvel com 208.

Os crimes associados ao terrorismo em que Portugal tem vindo a ser chamado a cooperar tem aumentado e isso aconteceu em 2017.

A Eurojust foi chamada a cooperar na investigação de pelo menos dois processos mediáticos nos últimos anos.

Um deles foi o caso do marroquino suspeito de pertencer a uma organização terrorista internacional e que foi acusado pelo Ministério Público.

O outro, já julgado, foi o do funcionário do Serviço de Informações de Segurança (SIS) Frederico Carvalhão, condenado a sete anos e quatro meses pelos crimes de espionagem e corrupção passiva para ato ilícito.

A Eurojust facilita a cooperação, coordenação e troca de informação judiciária multilateral em casos que envolvem crimes transfronteiriços graves e o apoio operacional da Unidade inclui analisar as questões jurídicas e dificuldades práticas provenientes da sua análise de casos, desenvolvendo a melhor prático, cooperando com parceiros da UE e Estados terceiros e trabalhando de perto com redes judiciárias de profissionais especializados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.