Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2019
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 10º

Edição

Moção de censura contra governo francês rejeitada

A Assembleia Nacional francesa rejeitou hoje a moção de censura das esquerdas contra o governo de Édouard Philippe, pela gestão da crise dos 'coletes amarelos', votada apenas por 70 deputados.

Moção de censura contra governo francês rejeitada
Notícias ao Minuto

19:46 - 13/12/18 por Lusa

Mundo França

Com esta moção, os três grupos de esquerda -- Socialistas, França Insubmissa e Comunistas -- queriam fazer ouvir os "gritos do povo" lançados pelos "coletes amarelos" e condenar "a política social e fiscal injusta levada a cabo há 18 meses" pelo governo.

A apresentação da moção ocorreu na terça-feira, no mesmo dia em que o primeiro-ministro, Édouard Philippe, defendeu na Assembleia nacional as medidas decididas pelo Presidente.

Entre estas medidas, inclui-se um aumento em 100 euros do salário mínimo (atualmente 1.498 euros ilíquidos), anulação do aumento dos impostos as reformas inferiores a 2.000 euros ou a decisão de não tributar as horas extraordinárias.

Para derrubar o Governo do Presidente Emmanuel Macron, a moção tinha de conseguir uma maioria, o que seria quase impossível, dado o total de deputados dos partidos proponentes (62 eleitos no total) em relação aos 577 deputados que formam a Assembleia.

Entretanto, o Governo francês apelou hoje aos "coletes amarelos" para que não se manifestem no sábado para que as forças policiais possam concentrar os seus esforços na busca por Cherif Chekatt, o alegado autor do atentado ao mercado de Natal em Estrasburgo.

"Neste momento, decidimos não proibir as manifestações", disse o porta-voz do Governo, Benjamin Griveaux, ao canal CNews.

No entanto, Griveaux pediu aos manifestantes, que protestam há quase um mês contra a política fiscal e social do Governo, que sejam "razoáveis" depois ao atentado ocorrido na terça-feira à noite, que provocou três mortos e 13 feridos num mercado de Natal em Estrasburgo, nordeste da França.

A revolta dos "coletes amarelos" já "foi ouvida" e foi "respondida", insistiu Griveaux, em referência às medidas anunciadas na segunda-feira pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para aumentar o poder de compra dos assalariados e reformados mais carenciados.

"As nossas forças policiais e de segurança foram colocadas a trabalhar exaustivamente nas últimas semanas", disse o porta-voz, acompanhado por alguns políticos e líderes sindicais.

Mais de 700 polícias e 'gendarmes' (polícia militarizada) estão mobilizados no âmbito do atentado que aconteceu na terça-feira à noite em Estrasburgo.

Os investigadores admitem a possibilidade de o acusado do ataque poder ter cruzado a fronteira e fugido para Kehl, na Alemanha, do outro lado do Reno.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório