Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 16º

Edição

Alunos de cinema criam filme sobre pessoas com deficiência mental

Um grupo de alunos de cinema da Universidade da Beira Interior, na Covilhã, decidiu dar o protagonismo a pessoas com deficiência mental no projecto de fim de curso.

Alunos de cinema criam filme sobre pessoas com deficiência mental
Notícias ao Minuto

10:42 - 08/04/13 por Lusa

Cultura Covilhã

‘Síndrome de Cinema’ é um filme dentro de outro filme, explicou à agência Lusa o aluno e realizador Henrique Cannavial.

Entre 20 a 30 utentes da delegação da Covilhã da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) vão ser atores, produtores e realizadores de uma fita que será projectada dentro de algumas semanas.

A estreia está marcada para a sala de cinema da universidade, numa gala em que cada um dos participantes vai receber um prémio - tal como as estrelas de cinema recebem os Óscares.

Todo o processo será orientado e filmado pelos alunos de cinema, resultando numa curta-metragem que será avaliada como projecto de final de curso, mas que "representa muito mais", descreve Henrique Cannavial.

Os finalistas querem "fazer um projecto social, para dar algo à Covilhã", como forma de retribuir os três anos de hospitalidade de que já beneficiaram, referiu o realizador, natural da ilha da Madeira.

"Sempre fui bem recebido aqui", sublinhou.

Um dia, escutou a história de um dos colegas que teve uma irmã com Síndrome de Down.

Pouco tempo depois, o projecto estava a ser apresentado à APPACDM da Covilhã, que procurava actividades na área da expressão dramática.

"Foi uma ideia que nos cativou e que nos pareceu enriquecedora para os clientes: eles estão curiosos e motivados", refere Carina Correia, psicóloga na instituição.

Os alunos estão a conduzir sessões de trabalho em que apresentam o equipamento e os processos de produção e em que tentam chegar a um consenso sobre o filme que vão fazer.

"Uns gostam do 007, outros de comédia", descreve Henrique.

Mesmo que não haja consenso, "a curta-metragem será uma homenagem a vários filmes", com gravações nas instalações da APPACDM e nos estúdios da universidade.

"Não estamos muito preocupados com o nosso filme, mas sim com o filme deles: esse é o principal", sublinha o realizador.

Trabalhar com quem tem deficiência mental "é completamente diferente do habitual", pela positiva, destaca: "não têm ciúmes, invejas ou preconceitos e o mais forte protege o mais fraco. É a sociedade perfeita", conclui.

No meio do grupo, muito animado, Silvie Matos, uma das clientes da instituição, não esconde o desejo: "gostava de entrar num filme".

Por isso, fazer parte de uma equipa de cinema "é espectacular", refere.

A poucos minutos de começar mais uma sessão de trabalho com os alunos da UBI a azáfama é grande para preparar a sala de reuniões e o equipamento que por ali vai circular.

Se dependesse de João Tiago, outro dos participantes, não havia dúvida sobre o enredo: seria um filme do 007 em que ele próprio entraria, nem que fosse para "ser figurante" e concretizar um sonho.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório