Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

Edição

Tendência do CDS volta a entregar assinaturas no arranque para reunião

Os promotores da tendência do CDS-PP "Esperança em Movimento" (TEM) voltam hoje a entregar as assinaturas necessárias para a sua formalização enquanto tendência interna no partido, no que constitui "um pontapé de saída para o Congresso" centrista.

Tendência do CDS volta a entregar assinaturas no arranque para reunião
Notícias ao Minuto

07:47 - 22/02/18 por Lusa

Política Congresso

o pontapé de saída para o Congresso, que achamos que é fundamental para a afirmação dos valores do partido que queremos defender, que são centrais para o partido crescer", disse à agência Lusa o porta-voz da tendência que se afirma democrata-cristã, Abel Matos Santos.

O porta-voz da primeira tendência que visa a formalização dentro do CDS-PP sublinhou que, num mês, recolheram mais do que as assinaturas necessárias, que são 300, considerando tratar-se "de um sinal claro de que as pessoas no CDS se identificam com o projeto de país e modelo de sociedade" que defendem.

Simultaneamente com a recolha das assinaturas necessárias à formalização - pela segunda vez, depois de um parecer do Conselho de Jurisdição negativo -, a TEM recolheu assinaturas para a moção que vai apresentar ao 27.º Congresso do CDS-PP, que se realiza nos dias 10 e 11 de março, em Lamego.

"É a segunda vez que entregamos as assinaturas. Temos a palavra por escrito da secretaria geral e de viva voz da presidente do partido de que serão levadas a Comissão Política para a tendência ser formalizada", declarou Abel Matos Santos, apontando "as dificuldades" que tiveram de ultrapassar.

Em novembro, Abel Matos Santos defendeu que estavam a ser colocadas "dúvidas burocráticas" à formalização da tendência, que entregou em junho mais do que as 300 assinaturas necessárias, aguardando desde então que o processo fosse levado à Comissão Política, como preveem os estatutos do partido.

Os estatutos do CDS-PP preveem, no capítulo V, a existência de "correntes de opinião", que, de acordo com o artigo 43.º, "têm direito a indicar um representante para a Comissão Política Nacional, a serem ouvidos pelos órgãos deliberativos nacionais do partido, neles se fazerem representar e a apresentar documentos".

"A constituição de uma corrente de opinião implica a apresentação à Comissão Política Nacional do CDS - Partido Popular de uma declaração de princípios políticos, subscrita por, pelo menos, trezentos militantes que declaram aceitar ser seus membros, e as regras de eleição dos seus representantes", estabelecem os estatutos.

Compete à Comissão Política "a verificação da conformidade das correntes de opinião com o programa do partido, os estatutos e o regulamento e a aprovação da sua constituição", que é "objeto de regulamento específico a ser aprovado pelo Conselho Nacional", é ainda especificado nos estatutos.

Até agora, as correntes de opinião têm funcionado informalmente, como tem sido o caso do movimento Alternativa e Responsabilidade (AR), de Filipe Anacoreta, em que participou Abel Matos Santos e outros signatários da TEM.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório