Meteorologia

  • 20 MAIO 2018
Tempo
24º
MIN 23º MÁX 25º

Edição

Coreia do Norte qualifica de "ato de guerra" novas sanções da ONU

A Coreia do Norte qualificou hoje como "ato de guerra" as novas sanções aplicadas na sexta-feira pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas contra Pyongyang pelos seus programas nuclear e de mísseis balísticos.

Coreia do Norte qualifica de "ato de guerra" novas sanções da ONU
Notícias ao Minuto

06:01 - 24/12/17 por Lusa

Mundo Comunicado

"Nós rejeitamos totalmente as últimas sanções da ONU", declarou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte.

Num comunicado divulgado pela agência de notícias oficial KCNA, a diplomacia norte-coreana considera as sanções "um atentado violento contra a soberania" do país e "um ato de guerra que destrói a paz e a estabilidade da península coreana e da região".

"Os Estados Unidos, completamente aterrorizados com a nossa histórica conquista de completar a força estatal nuclear, atuam com medidas cada vez mais histéricas para impor as maiores sanções e pressão possíveis ao nosso país", diz o mesmo comunicado.

Neste sentido, Pyongyang deixou uma advertência: "Se os Estados Unidos desejam viver em paz, deveriam abandonar a sua política hostil contra a RPDC [República Popular Democrática da Coreia, nome oficial do país] e aprender a coexistir com uma nação que tem armas nucleares".

O regime liderado por Kim Jong-un também alertou que "irá continuar a consolidar as suas capacidades nucleares" (...) que visam fundamentalmente erradicar as ameaças nucleares dos Estados Unidos e as suas chantagens e movimentos hostis, criando assim um equilíbrio de forças".

O Conselho de Segurança da ONU impôs na sexta-feira novas sanções à Coreia do Norte em resposta ao ensaio de um míssil balístico intercontinental, com capacidade para atingir território norte-americano, realizado no final de novembro.

Os 15 Estados-membros do Conselho de Segurança aprovaram por unanimidade uma resolução proposta pelos Estados Unidos, que endurece as amplas sanções internacionais contra o regime de Kim Jong-un.

As novas sanções incluem sérias restrições ao envio de combustíveis para Pyongyang e a repatriação dos norte-coreanos que trabalham no estrangeiro, e cujos rendimentos beneficiam o Governo do país.

Segundo Washington, a resolução reduzirá em 89% o acesso do regime a gasolina, gasóleo e outros derivados do petróleo.

Em paralelo, inclui provisões nas quais o Conselho de Segurança se compromete a impor novas reduções no fornecimento de petróleo ao país em caso de novos ensaios com mísseis balísticos intercontinentais.

Em relação aos trabalhadores norte-coreanos no exterior, a resolução requer a todos os países que os expulsem num prazo máximo de dois anos.

Washington indicou que cerca de 100.000 norte-coreanos trabalham fora do país, na sua maioria na China e Rússia. Os Estados Unidos asseguram que os impostos que estes trabalhadores pagam ao Estado norte-coreano geram anualmente mais de 500 milhões de dólares (421 milhões de euros).

O objetivo da medida, segundo os seus promotores, consiste em dificultar o financiamento dos programas de armamento norte-coreanos e forçar Pyongyang a negociar.

A ONU endureceu, este ano, por várias vezes as sanções contra a Coreia do Norte em resposta ao incremento dos ensaios nucleares e de mísseis concretizados pelo regime.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.