Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2020
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 15º

Edição

Autoridade religiosa contra "interferência estrangeira" no Iraque

O grande ayatollah Ali Sistani pediu hoje que o primeiro-ministro do Iraque seja nomeado sem "interferência estrangeira", após o Irão ter enviado emissários para negociar a formação de um governo que preserve os seus interesses.

Autoridade religiosa contra "interferência estrangeira" no Iraque
Notícias ao Minuto

11:45 - 06/12/19 por Lusa

Mundo Iraque

Figura tutelar da política no Iraque e a mais alta autoridade religiosa xiita no país, Sistani, 89 anos, terá estado envolvido na nomeação ou afastamento de todos os primeiros-ministros desde a queda do ditador Saddam Hussein em 2003.

Na semana passada, foi o seu sermão que precipitou a demissão do chefe de governo Adel Abdel Madhi.

Desta vez, advertiu, não desempenha "qualquer papel" e não faz parte das negociações conduzidas com o patrocínio dos emissários de Teerão: o general iraniano Qassem Soleimani e o dignitário xiita encarregado do dossier iraquiano no movimento xiita libanês Hezbollah, Mohammed Kaoutharani.

"A nomeação do primeiro-ministro deve fazer-se longe de qualquer interferência estrangeira", insistiu o representante de Sistani na cidade santa xiita de Karbala (sul), que como cada sexta-feira leu o sermão do grande ayatollah, que nunca aparece em público.

Desde 1 de outubro que o Iraque é palco de violência à margem de manifestações contra o poder num dos países mais corruptos do mundo, contra o desemprego que atinge um quarto dos jovens, a pobreza endémica e as ingerências estrangeiras, particularmente as do vizinho Irão.

Perto de 430 pessoas foram mortas, maioritariamente manifestantes, e cerca de 20.000 ficaram feridas, segundo o balanço feito pela agência France Presse a partir de fontes médicas e policiais.

Uma primeira vitória dos manifestantes foi a demissão a 1 de dezembro de Adel Abdel Mahdi, que gere os assuntos correntes até à designação do seu substituto. O presidente Barham Saleh ainda tem uma dezena de dias para o fazer.

Os contestatários querem uma nova Constituição e uma nova classe política, considerando que a atual, inalterada há 16 anos, fez desaparecer o equivalente a duas vezes o produto interno bruto (PIB) do país na espiral da corrupção.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório