Incerteza sobre medidas até 2021 pode comprometer ajustamento estrutural

A UTAO destacou hoje a incerteza sobre as medidas previstas até 2021, que não estão "devidamente especificadas" e que dependem de hipóteses externas, alertando que, se não forem adotadas, Portugal não cumpre o ajustamento estrutural a que está obrigado.

© Global Imagens
Economia UTAO

Na análise sobre o Programa de Estabilidade 2017-2021 (PE2017-21) a que a Lusa teve hoje acesso, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) afirma que "algumas medidas de consolidação permanentes do PE2017-21 não se encontram devidamente especificadas" e que "a sua concretização reveste-se de incerteza".

PUB

Referindo a poupança de 900 milhões de euros prevista entre 2018 e 2021 em consumos intermédios e a poupança de 405 milhões de euros que o Governo espera conseguir com a revisão da despesa, a UTAO considera que, "colocadas desta forma, em termos genéricos, não é possível uma avaliação da sua exequibilidade ou do seu impacto, prejudicando a transparência do exercício orçamental e podendo constituir um risco não negligenciável para a execução orçamental".

Além disso, os técnicos independentes que apoiam o parlamento lamentam que os exercícios de previsão orçamental tenham vindo a "identificar sistematicamente poupanças em rubricas de consumo intermédio e outras despesas correntes, as quais acabam por não ser avaliadas 'ex-post' por ausência de informação".

Toda esta "incerteza quanto à configuração e quanto à concretização" destas medidas "condiciona as projeções apresentadas, o que constitui um fator de risco sobre as projeções orçamentais", concluem os técnicos.

A UTAO realça ainda como segundo fator de incerteza o facto de os efeitos das medidas de consolidação previstas estarem dependentes de hipóteses externas: é o caso, por exemplo, da poupança com juros, que está "fortemente dependente das condições de mercado e da evolução das taxas de juro da dívida pública".

Os técnicos recordam que o PE2017-21 prevê, para 2018 a 2021, medidas permanentes estimadas em cerca de 1.000 milhões de euros em termos líquidos e sublinham que "o valor destas medidas reduz-se para cerca de 750 milhões de euros se não se considerar a poupança prevista com o pagamento de juros da dívida pública".

Esta unidade orçamental considera que, "caso não seja possível concretizar as medidas de consolidação orçamental adicionais, a orientação da política orçamental assumirá uma natureza expansionista, não ficando assegurado o ajustamento estrutural que se encontra definido no âmbito do Tratado Orçamental e previsto na Lei de Enquadramento Orçamental".

Já para 2017, a UTAO sublinha ainda que o PE2017-21 tem subjacente uma melhoria do saldo estrutural de 0,3 pontos percentuais do PIB potencial entre 2016 e 2017, o que "pressupõe um esforço de consolidação orçamental em direção ao Objetivo de Médio Prazo inferior ao recomendado pelo Conselho no âmbito do Semestre Europeu".

No OE2017, o Governo estimava uma melhoria do saldo estrutural em 0,6 pontos percentuais entre 2016 e este ano, sendo que a Comissão Europeia previu um défice estrutural inalterado nos dois anos.

"Sublinhe-se que o ajustamento nulo previsto pela Comissão Europeia representa um desvio superior a 0,5 pontos percentuais do PIB potencial, entendido como o limite para ser classificado como 'desvio significativo'", afirma a UTAO, que acrescenta que o Conselho recomendou, além da correção do défice excessivo, uma variação mínima do saldo estrutural de 0,6 pontos percentuais este ano.

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias Ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser