Meteorologia

  • 30 MARçO 2020
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

"Profunda recessão é inevitável", mas desafio é evitar que se prolongue

O antigo presidente do BCE Mario Draghi considera que é necessário "força e rapidez" para que se evite que a recessão económica - por causa do novo coronavírus - se prolongue no tempo, com consequências mais graves.

"Profunda recessão é inevitável", mas desafio é evitar que se prolongue

O antigo presidente do Banco Central Europeu Mario Draghi defende que a Europa deve agir com "força e rapidez" de modo a impedir que a recessão económica, que é "inevitável", se prolongue no tempo. Num texto, assinado pelo próprio e publicado no Financial Times, Draghi reforça o papel dos governos em ajudar as famílias e as empresas.

"Dia por dia, as notícias económicas estão a piorar. As empresas enfrentam uma perda de rendimentos em toda a economia. Muitas estão já a reduzir e a despedir trabalhadores. Uma recessão profunda é inevitável", alertou o economista.

Posto isto, considera que o "desafio que enfrentamos é sobre como agir com força e rapidez suficiente para prevenir que a recessão se transforme numa depressão prolongada, agravada por vários incumprimentos que provoque danos irreversíveis", pode ler-se. 

E, por isso, refere que nesta altura é papel dos governos proteger as famílias e as empresas: o Estado tem o papel de "proteger os cidadãos e a economia contra choques pelos quais o setor privado não é responsável e não pode absorver", sublinha. E recorre à história para justificar que isto sempre foi feito desta forma: "As guerras - o precedente mais relevante - foram financiadas pelo aumento da dívida pública".

O custo da hesitação pode ser irreversívelDraghi considera que o mais importante é proteger o emprego dos cidadãos, mas isto requer "apoio imediato de liquidez", de modo a que as empresas consigam cumprir com as suas despesas operacionais durante a crise. Os governos já têm vindo a adotar medidas neste sentido, mas o antigo banqueiro diz que é "necessária uma abordagem mais abrangente"

E, para isso, é necessário "mobilizar todo o sistema financeiro: mercado de obrigações, principalmente para grandes empresas, o sistema bancário e em alguns países até o sistema de correios", escreveu. No fundo, defende que tudo deve ser feito sem atrasos ou burocracias: os "bancos devem emprestar dinheiro a custo zero às empresas preparadas para salvar empregos".

"O custo da hesitação pode ser irreversível", conclui o antigo presidente do BCE

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório