Meteorologia

  • 22 ABRIL 2019
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Greve dos trabalhadores da TST com adesão de 90%

Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) iniciaram hoje uma greve de 48 horas pelo aumento do salários, a qual registou uma adesão de 90%, tendo um "grande impacto" no serviço da empresa, informou fonte sindical.

Greve dos trabalhadores da TST com adesão de 90%
Notícias ao Minuto

14:54 - 13/03/19 por Lusa

Economia Sindicato

"Os trabalhadores da TST pararam hoje entre os 85 a 90%. Está a ser uma grande paralisação e tivemos um grande plenário nas instalações da empresa. Amanhã voltamos a realizar novo plenário e ida à administração da empresa com uma nova proposta", revelou João Saúde, da Fectrans -- Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

De acordo com o responsável, esta greve está a ter um "grande impacto" no serviço da TST, com supressão de carreiras e com maior expressão no concelho de Almada, no distrito de Setúbal.

"Está a ser um pandemónio total, com uma empresa destas a parar 85 a 90%. O terminal de Cacilhas, o principal da empresa, está completamente deserto. Em Almada é onde está a haver uma maior adesão, mas também em Setúbal", avançou.

A paralisação iniciou-se hoje de madrugada, pelas 03:00, e prolonga-se até às 03:00 de dia 15 de março, em protesto por aumentos salariais e cumprimento do Acordo de Empresa.

"Os motivos prendem-se essencialmente com os baixos salários, ou melhor dizendo, com os salários miseráveis que os trabalhadores da TST usufruem. Não há trabalhador nenhum que consiga viver com seiscentos e poucos euros. E para fazer face à vida têm que estar agarrados a um volante noite e dia, ou seja, a sobrecarga horária para poderem receber mais algum", frisou João Saúde.

O sindicalista realçou, neste sentido, que os trabalhadores da TST são os profissionais deste setor, na região, que têm os salários mais baixos.

"Os trabalhadores estão a ficar cansados disto, até porque veem os trabalhadores da Rodoviária de Lisboa a ganhar muito mais que eles, nem vamos falar da Carris. Veem os trabalhadores do grupo Barranqueiro a ganhar muito mais que eles, da Eva Transportes, da Rodoviária do Alentejo, da Rodoviária do Tejo. Tudo isto aumenta o descontentamento, porque veem os camaradas de trabalho da mesma profissão, em outras empresas aqui da zona, a ganharem muito mais do que eles", sublinhou.

Além disso, segundo João Saúde, a TST está a pagar o trabalho extraordinário "em valor abaixo do que determina o Acordo de Empresa", o que está a levar os trabalhadores a "desvincularem-se da TST e procurarem trabalho em outras empresas".

Com um pano alusivo aos "salários de miséria e aos direitos que não estão a ser cumpridos", os trabalhadores da TST reuniram-se hoje na sede da empresa, em Almada, mas, segundo João Saúde, não houve qualquer resposta por parte da administração.

Na quinta-feira, os trabalhadores voltam a concentrar-se na sede e uma delegação das organizações representativas irá apresentar uma nova proposta à administração no sentido de revisão do Acordo de Empresa.

Em 23 de janeiro, os trabalhadores reuniram-se com a administração da TST para negociar a revisão do Acordo de Empresa, em que lhes foi proposto o aumento do salário de 651,61 euros para 670 euros, além do acréscimo de 0,91 cêntimos nas diuturnidades e de mais cinco euros no trabalho em dia de folga, passando a receber 42,50 euros, uma proposta que os trabalhadores consideraram insuficiente.

A TST desenvolve a sua atividade na Península de Setúbal, com 190 carreiras e oficinas em quatro concelhos, designadamente Almada, Moita, Sesimbra e Setúbal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório