Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2020
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

"Crise pandémica agravou divergências com PS"

  O líder dos comunistas não se arrependeu da experiência do acordo à esquerda nos anos da "geringonça" (2015 a 2019), mas admitiu que a crise da pandemia agravou "divergências insanáveis" com os socialistas.

"Crise pandémica agravou divergências com PS"

A menos de uma semana do XXI congresso nacional, em Loures, onde um dos temas das chamadas teses é a avaliação dessa experiência, que os comunistas apelidam de "nova fase da política nacional", Jerónimo de Sousa disse que era importante afastar o Governo PSD/CDS.

"Fizemos aquilo que julgamos certo e que a vida demonstrou, de certa forma, que estávamos certos", afirmou, em entrevista à agência Lusa, o secretário-geral do PCP, que admitiu dificuldades em eventuais entendimentos futuros.

Questionado sobre o que foi positivo ou negativo ao longo dos quatro anos resultado das "posições conjuntas" com o PS, Jerónimo enumerou medidas sociais, embora tenha ressalvado que se trata de conquistas "limitadas".

As medidas positivas dadas como exemplo foram "a reposição de salários e do décimo terceiro mês, o aumento das reformas, a redução das tarifas dos transportes, uma medida de grande alcance", neste "quadro de questões ambientais".

De negativo, Jerónimo ressaltou que o PS "sempre, mas sempre que era confrontado com questões estruturais como a situação dos serviços públicos, não atendeu" às posições do PCP, mesmo, tratando-se de questões de emergência, como o reforço do Serviço Nacional de Saúde ou da escola pública.

Resumindo, trata-se de "valorizar o que deve ser valorizado e assumir" que há "necessidade de uma política diferente, com uma rutura com a política de direita e uma política patriótica de esquerda que resolva os problemas nacionais".

"Naturalmente, há aqui divergências insanáveis que, infelizmente se estão a agravar", afirmou.

Para a história, Jerónimo de Sousa contou que, em 2015, nas conversações com António Costa para as "posições conjuntas", o PCP se comprometia a não viabilizar uma moção de censura, mas também que "disse ao PS que não deveria apresentar nenhuma moção de confiança".

O XXI congresso nacional do PCP realiza-se em 27, 28 e 29 de novembro de 2020 no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures, distrito de Lisboa, sob o lema "Organizar, Lutar, Avançar - Democracia e Socialismo".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório