Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2019
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

PCP questiona Governo sobre medidas para Cervejaria em risco de fechar

O grupo parlamentar do PCP questionou o Governo sobre que medidas "pretende tomar para garantir" todos os postos de trabalho da Cervejaria Galiza, no Porto, e o direito dos cerca de 30 trabalhadores, foi hoje divulgado.

PCP questiona Governo sobre medidas para Cervejaria em risco de fechar
Notícias ao Minuto

11:06 - 21/11/19 por Lusa

Política Galiza

Em comunicado, a Direção da Organização Regional do Porto (DORP) do PCP acrescenta que, na pergunta entregue na Assembleia da República, questiona também o Governo, através do Ministério do Trabalho, sobre "quantas foram as ações inspetivas da ACT [Autoridade para as Condições de Trabalho] à Cervejaria Galiza nos últimos 10 anos" e quais as "ações tomadas junto da empresa no seguimento das mesmas".

Fundada em 29 de julho de 1972, a Cervejaria Galiza está em risco de fechar, depois de quatro anos em dificuldades, com dívidas aos funcionários, ao fisco e à Segurança Social. A 11 de novembro os trabalhadores impediram a tentativa da gerência de retirar o material das instalações, mantendo-se entretanto em permanência no espaço.

"Desde então, assumiram uma solução de gestão para manter o estabelecimento aberto, pagando salários a trabalhadores, encargos a fornecedores e outras despesas", descreve a DORP do PCP.

O PCP lembra que "os mais de 30 trabalhadores da Cervejaria Galiza mantêm neste momento um processo de luta de grande combatividade e perseverança, permitindo manter aberta esta conhecida casa de restauração da cidade do Porto".

De acordo com o partido, "estes trabalhadores têm vindo a ser fustigados ao longo dos anos com desrespeito sucessivos por parte da empresa", sendo "inaceitável a continuada realidade de salários pagos às prestações".

"É também inaceitável que em outubro de 2019 estivesse em dívida o Subsídio de Natal de 2018", alertam.

Para o PCP, "face a esta realidade, importa que sejam salvaguardados todos os postos de trabalho deste estabelecimento, bem como que sejam cabalmente cumpridos os direitos destes trabalhadores".

O PCP recorda ainda que, na noite do dia 11, "a gerência da Cervejaria Galiza, aproveitando-se do facto de segunda-feira ser um dia de descanso dos trabalhadores e de o estabelecimento estar encerrado, desmontou máquinas e empacotou o recheio do restaurante para o encerrar definitivamente".

"Os trabalhadores impediram esta tentativa, concentraram-se e ocuparam as instalações, impedindo a retirada do material", observa.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, jantou na terça-feira no espaço, defendendo que o Governo pode dar uma "contribuição positiva para a resolução do conflito" na Cervejaria.

"São 30 postos de trabalho que estão aqui em causa, de muitos que para a sua vida precisam de continuar aqui a trabalhar, não pedem mais do que isso. Querem continuar a trabalhar e ter o seu direito ao trabalho e, por isso mesmo é que, tendo em conta esta marca que é parte intrínseca desta cidade do Porto, [desejo que] possa continuar de portas abertas com uma situação social e laboral resolvida", salientou.

A tentativa de resolver as dificuldades da cervejaria passou pelo recurso a um Processo Especial de Revitalização (PER), aceite pelo Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia, e pela chegada de um gestor.

Na terça-feira, realizou-se uma reunião "inconclusiva" com a gerência da Cervejaria Galiza, segundo informação do delegado sindical Nuno Coelho, que acrescentou estar agendado novo encontro mediado pelo Ministério do Trabalho para segunda-feira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório