Meteorologia

  • 21 AGOSTO 2018
Tempo
27º
MIN 25º MÁX 30º

Edição

Pedro Nuno Santos é único governante a apresentar moção setorial

Pedro Nuno Santos é o único membro do Governo a apresentar uma moção setorial ao XXII congresso do PS, um texto ideológico em que elogia a maioria de esquerda e critica a "terceira via".

Pedro Nuno Santos é único governante a apresentar moção setorial
Notícias ao Minuto

07:38 - 23/05/18 por Lusa

Política PS/Congresso

"Estamos perante o fim de um ciclo de renovação que durou dos anos noventa ao fim da segunda década do novo milénio", lê-se na moção "Por uma social-democracia da Inovação" assinada pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, numa referência á "terceira via", a corrente mais centrista de Tony Blair, no Reino Unido, de que Guterres foi um adepto, quando liderou o PS.

A via atual em Portugal, um governo de minoria do PS com o apoio parlamentar dos partidos de esquerda (BE, PCP, PEV), conseguiu "excelentes resultados sociais, económicos e orçamentais", segundo a moção que também subscrita por Duarte Cordeiro, dirigente e vice-presidente da Câmara de Lisboa.

Os responsáveis pela social-democracia europeia fizeram, ao longos destes mais de 20 anos, "cedências ideológicas e programáticas desnecessárias" e admitiram a "aceitação -- por vezes transformada em convicção -- da perda de instrumentos de política económica até aí tidos como essenciais".

Em contraponto, a moção defende que o Estado deve fomentar o "desenvolvimento e inovação socioeconómica".

"A social-democracia não se deve circunscrever à ideia que ao Estado cabe apenas a responsabilidade de proteger os mais fracos e reduzir desigualdades", afirma-se na moção, também assinada pelos militantes Hugo Mendes, João Jesus Caetano e Marina Gonçalves.

Para os autores desta moção setorial, a ser discutida no congresso nacional do PS na Batalha, distrito de Leiria, de 25 a 27 de maio, o Estado "deve, na sua ação, ser um mecanismo de redistribuição de rendimentos e de proteção social, mas também de desenvolvimento e inovação socioeconómica".

O "debate relevante dentro da social-democracia" deve passar por olhar o Estado pelo seu "papel ativo", com "visão estratégica" para, "em coordenação com o investimento privado, acelerar a transformação estrutural da economia, assegurando que a inovação é posta ao serviço do bem-estar social e ambiental e da coesão territorial".

O PS, lê-se ainda na moção, "mostrou que tinha razão quando defendeu a viragem da página da austeridade" desde que, em 2015, lidera o Governo com o apoio dos partidos da esquerda.

"Está na altura de disputar -- e ganhar -- o debate sobre a criação sustentável de riqueza, (re)pensando o papel do Estado e das políticas de inovação", escrevem ainda os autores da moção subscrita por Pedro Nuno Santos, que, no Governo, faz a ligação entre o Executivo e os partidos à esquerda, PCP, BE e PEV.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.