Meteorologia

  • 20 FEVEREIRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 17º

Edição

Padre Roberto Sousa pede desculpa a colega e não é julgado por difamação

Roberto Sousa, ex-pároco de Canelas, Vila Nova de Gaia, que ia começar hoje a ser julgado por difamar um antigo sacerdote de Fafe, acordou com este fazer um pedido de desculpa público, pelo que o julgamento ficou sem efeito.

Padre Roberto Sousa pede desculpa a colega e não é julgado por difamação
Notícias ao Minuto

13:21 - 22/01/18 por Lusa

País Sacerdotes

Os dois padres chegaram hoje a um acordo, que pressupõe a publicação de um pedido de desculpa público em dois órgãos de Comunicação Social, nomeadamente nos diários Jornal de Notícias (JN) e Correio da Manhã (CM) pelo padre Roberto Sousa, depois de em 2014 acusar o pároco Abel Maia de abusar sexualmente de menor, anunciaram os seus advogados, à saída do Tribunal do Bolhão, no Porto, para onde estava agendado o julgamento, que acabou por não se realizar devido ao acordo feito.

"Fez-se um entendimento entre duas pessoas de bem, dois padres que, efetivamente, perceberam que o que estava em causa era uma questão de mal-entendido, o meu constituinte reconheceu que uma das iniciativas que tomou, enviar uma carta ao bispo do Porto a acusar o padre Abel Maia, foi um ato imponderado", disse o advogado do sacerdote Roberto, Armandino Lopes.

O causídico referiu que o padre Roberto manifesta "total solidariedade" ao sacerdote Abel Maia, lamentando o transtorno causado a si, à sua família, aos seus amigos e às paróquias por onde passou.

Por seu lado, o advogado do pároco Abel Maia, Nélson Domingues, adiantou que os dois tiveram uma "conversa franca" que permitiu "encerrar" este assunto.

"Tanto um como outro deram um exemplo, tal como dois padres devem fazer", afirmou.

Em declarações aos jornalistas, o padre Abel Maia adiantou que o seu nome "andou na lama" quatro anos, mas hoje a verdade foi resposta.

"Claro que perdoo, se perdoo toda a gente, não ia agora perdoar um padre", frisou.

O sacerdote vincou que se não fosse a sua família, amigos, fé e paz interior, após estes "quatro anos de sofrimento" estaria num "manicómio ou num hospital com uma depressão".

Questionado porque é que não resolveram esta situação antes, deixando-a chegar a tribunal, Abel Maia explicou que o padre Roberto Sousa "nunca" foi ter com ele e "nunca" tentou falar com ele.

EM 2014, o padre Roberto Sousa acusou o sacerdote Abel Maia de abusar sexualmente de um menor, denúncia que fez através de uma carta enviada ao falecido bispo do Porto, António Francisco dos Santos.

O bispo decidiu então remeter a carta para o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto e, após investigação por parte do Ministério Público (MP), o caso foi arquivado.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.