Meteorologia

  • 12 JULHO 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 27º

PS/Braga diz que empresa de águas e resíduos é gerida "à pai Adão"

O vereador do PS na Câmara de Braga Artur Feio criticou hoje a gestão "à pai Adão" da empresa Agere, apontando o exemplo do serviço da varredura de ruas, que diz ser prestado sem qualquer acompanhamento ou fiscalização.

PS/Braga diz que empresa de águas e resíduos é gerida "à pai Adão"
Notícias ao Minuto

22:12 - 12/06/24 por Lusa

País Braga

Na reunião quinzenal do executivo, sublinhou que a varredura custou, em 2023, cerca de 6,8 milhões de euros, o que dá perto de meio milhão de euros por mês.

"Meio milhão por mês é muito, muito dinheiro. E não há qualquer escrutínio ou fiscalização. É acreditar todos uns nos outros, tudo isto é à pai Adão", referiu.

Para o socialista, "é por isto que a Agere tem tanto lucro".

"Um paga bem, o outro presta o serviço que consegue", acrescentou.

A Agere é a empresa de águas, efluentes e resíduos do concelho (AGERE) de Braga.

Surgiu da transformação dos Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento em empresa pública municipal, em 1999.

Em 2005, o consórcio Geswater adquiriu 49% do capital social da empresa e, em parceria com a Câmara, assumiu a gestão da atividade da Agere, que passou a empresa municipal de capitais maioritariamente públicos.

Presente na reunião de hoje, o administrador da Agere, Rui Morais, considerou "inadmissível" que o PS fale em falia de fiscalização, lembrando que há dois vereadores na administração da empresa que zelam pelo cumprimento do caderno de encargos.

Rui Morais disse ainda que o custo da varredura subiu de 5,2 milhões de euros em 2022 para 6,8 milhões de euros em 2023 devido ao aumento dos salários dos trabalhadores.

Artur Feio reiterou ainda que a Agere perdeu um financiamento comunitário de 9 milhões de euros para a nova estação de tratamento de águas residuais alegadamente devido ao não cumprimento de prazos, mas o presidente da Câmara, Ricardo Rio, negou e garantiu que irá ser conseguido um financiamento "muito superior".

Outro aspeto esgrimido pelos socialistas foi uma ação que diz ter sido movido pelo acionista privado para reclamar o pagamento de uma dívida de 30 milhões de euros, acrescida de 11 milhões de euros de juros.

Rui Morais contrapôs que a ação foi movida pela Agere e que, segundo o valor apurado até 2022, a Câmara apenas terá de pagar 3,9 milhões de euros.

A situação da Agere, e o facto de a administração da empresa ainda não ter aprovado as contas referentes a 2023, foi o argumento esgrimido pelo PS para votar contra o Relatório de Contas Consolidadas do município.

O PS propôs mesmo a retirada deste ponto da ordem de trabalhos, mas a maioria não aceitou, tendo o documento sido aprovado com os votos dos eleitos do PSD e do CDS.

O vereador da CDU absteve-se.

Leia Também: Arguido acusado de matar empresário em Famalicão foi absolvido

Recomendados para si

;
Campo obrigatório