Meteorologia

  • 04 MARçO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Estudantes de enfermagem do Porto exigem melhores condições nos estágios

Mais de uma centena de alunos da Escola Superior de Enfermagem do Porto (ESEP) exigiram hoje melhores condições para prosseguir os estágios no terreno, apontando que querem ser "parte da solução e não contribuir no agravamento" da pandemia da covid-19.

Estudantes de enfermagem do Porto exigem melhores condições nos estágios
Notícias ao Minuto

17:21 - 24/01/21 por Lusa

País Covid-19

Numa carta dirigida à direção da ESEP, à qual a Lusa teve acesso, os alunos falam em falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) e referem que em caso de surtos em locais de estágio, não são tratados como profissionais de saúde, temendo ser "veículos de transmissão" quer para doentes, quer para as próprias famílias, entre outras denúncias e críticas.

"Não queremos contribuir para a rutura de um SNS [Serviço Nacional de Saúde] já fragilizado, por nos expormos a perigos desnecessários. Não queremos contribuir para a morte dos doentes de quem tratamos ou de um entre querido, porque não temos acesso aos EPIs que seriam necessários ou porque não nos foi disponibilizado um teste de despiste. Queremos fazer parte da solução, não contribuir para o agravamento do problema", lê-se na carta.

Dizendo-se "preocupados, indignados e frustrados com algumas situações que se têm passado", os subscritores da carta contam que "muitas vezes" lhes é dada uma máscara cirúrgica "para um turno inteiro de trabalho", no qual contactam "com inúmeros doentes com máscaras mal colocadas ou sem elas".

"Nestas situações, e segundo a evidência científica, a eficácia da máscara cirúrgica torna-se diminuta", referem.

Os alunos da ESEP aproveitam para reivindicar testagem, apontando que "por mais cuidadosos" que se revelem podem constituir "um veículo de transmissão entre doentes" e lembrando, entre outros cenários, que se deslocam em transportes públicos.

"Andamos constantemente receosos e angustiados com a possibilidade de infetar alguém. Não só as pessoas que mais gostámos e que vivem connosco, mas também, os doentes que nos são atribuídos no estágio. Muitos desses doentes encontram-se numa condição de saúde debilitada, provavelmente, não sobreviveria a esta doença. Não é isto contraditório àquilo que é preciso fazer neste momento? Como é que podemos quebrar as cadeias de transmissão se nem um teste nos é disponibilizado, quando contactamos com um doente covid-19 positivo no estágio?", questionam.

Os estudantes dizem não se sentir "apoiados pela instituição" que escolheram, dizem-se "exaustos" e exigem "mais segurança, compreensão por parte dos professores", bem como "preocupação" da escola com a sua "saúde mental".

A carta inclui testemunhos na primeira pessoa e vinca que em causa estão alunos que "são tratados como profissionais de saúde para algumas coisas e, para outras, como estudantes".

"É simplesmente impossível não falar da não inclusão dos estudantes de enfermagem, em ensino clínico, nos grupos prioritários da vacinação. Sabemos que esta delicada situação não está dependente de vós, mas gostaríamos de saber o que tem feito por nós relativamente a este tema. Prestamos os mesmos cuidados que os profissionais de saúde, estamos expostos diariamente aos mesmos riscos", terminam.

A agência Lusa contactou a direção da ESEP que remeteu esclarecimentos para um comunicado distribuído à comunidade educativa, no qual se lê que a escola "mantém a firme determinação de contribuir ativamente para a prevenção e o controlo da pandemia covid-19, mas também de garantir a qualidade do ensino e a conclusão, com sucesso, dos percursos formativos dos seus estudantes".

No texto, assinado pelo presidente António Luís Carvalho, a ESEP garante que "nos contextos de ensino clínico e de estágio, os estudantes têm acesso aos EPIs e aos testes de diagnóstico covid-19 nas mesmas condições que os enfermeiros dos respetivos serviços, em articulação com as instituições de saúde".

"Apesar das inúmeras e significativas dificuldades, este momento tem vindo a ser identificado como de excecional oportunidade de aprendizagem para os futuros enfermeiros, que não pode deixar de ser aproveitada", pode ler-se na comunicação.

Já no que diz respeito à vacinação, a ESEP lembra que os grupos prioritários foram definidos por entidades competentes exteriores, mas revela que a escola está em "articulação e sintonia" com a Ordem dos Enfermeiros, Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e Federação Nacional de Estudantes de Enfermagem "a desenvolver as estratégias necessárias à inclusão dos estudantes nos grupos prioritários".

A escola salvaguarda, ainda, que as condições para a continuidade dos ensinos clínicos e estágios foi discutida com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Ministério da Saúde e as diferentes instituições de saúde, e que "a formação de enfermeiros e a conclusão dos cursos têm vindo a ser apresentadas como fundamentais para a estratégia de combate à pandemia".

Por fim, a direção da escola refere que "consciente das dificuldades e dos constrangimentos do momento" disponibiliza aos alunos a possibilidade de solicitarem a suspensão de matrícula, o que se traduz no adiamento os seus percursos formativos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.121.070 mortos resultantes de mais de 98,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, enquanto em Portugal, morreram 10.469 pessoas dos 636.190 casos de infeção confirmados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório