Meteorologia

  • 01 ABRIL 2020
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Mau tempo: Zero defende uma "avaliação séria" de responsabilidades

A associação ambientalista Zero defendeu hoje uma "avaliação séria" de responsabilidades da autorização e construção em zonas de risco que, em situações de mau tempo afetam populações e habitações, e exigiu ações corretivas.

Mau tempo: Zero defende uma "avaliação séria" de responsabilidades
Notícias ao Minuto

14:41 - 23/12/19 por Lusa

País Ambiente

"A situação vivida nos últimos dias deixou muito claro que o país não está preparado para prevenir e lidar com situações meteorológicas excecionais, próprias das alterações climáticas", alertou a Zero, lembrando a destruição de praias e inundação de zonas ribeirinhas no litoral e as cheias e deslizamento de terras registadas no interior e no leito de rios.

O mau tempo, que se faz sentir desde a passada quarta-feira, provocou dois mortos, um desaparecido e deixou 144 pessoas desalojadas. Por precaução, outras 352 pessoas estão deslocadas de suas casas e já se registaram mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

Para os ambientalistas este é o resultado de "erros de ordenamento do território", defendem em comunicado.

A Zero defende que é preciso fazer "uma avaliação séria de responsabilidades", referindo-se ao trabalho realizado pelas autarquias e Ministério do Ambiente e Ação Climática, em especial a Agência Portuguesa do Ambiente.

Os ambientalistas apontam ainda o dedo aos "muitos planos diretores municipais" que "mesmo em anos recentes, deixaram construir em zonas de risco, implicando eventualmente a relocalização de habitações e de outras infraestruturas".

A associação defendeu ainda a necessidade de reavaliar os Planos de Gestão dos Riscos de Inundações e uma melhor implementação do Plano de Ação Litoral XXI.

Em comunicado lembram que é preciso avaliar o impacte de obras recentes de desassoreamento do rio Mondego, "da incapacidade de gestão das bacias hidrográficas e da manutenção de obras (diques), da incapacidade de infiltração nas zonas afetadas por incêndios nos últimos anos".

A Zero considera também que é preciso desenvolver planos de adaptação às alterações climáticas à escala local e metropolitana, que sejam postos em prática.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou no sábado a depressão Fabien, provocou mortos, feridos e desalojados, mas também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Segundo um balanço feito hoje de manhã pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, o distrito de Coimbra é o mais preocupante, mas o número de ocorrências tem "baixado significativamente", esperando-se a redução do caudal do rio Mondego nos próximos dias.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório