Meteorologia

  • 14 DEZEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Cerca de 30 instituições ajudam pessoas que vivem nas ruas de Lisboa

Cerca de 30 instituições ajudam as mais de 361 pessoas em situação de sem-abrigo que vivem nas ruas de Lisboa, a maior parte das quais são homens, portugueses e com doenças mentais, segundo dados do município.

Cerca de 30 instituições ajudam pessoas que vivem nas ruas de Lisboa
Notícias ao Minuto

15:31 - 20/11/19 por Lusa

País Lisboa

Das pessoas em situação de sem-abrigo (PSSA) na condição de sem teto (a viver na rua), que eram 361 segundo a mais recente contagem, 89% são do género masculino, 10% do género feminino e 1% de outros géneros, referem os dados disponibilizados à Lusa pelo gabinete do vereador dos Assuntos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa.

O arco de idades não foi revelado, mas "não há crianças a viver na rua", foi salientado.

São 31 os parceiros do Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo (NPISA) de Lisboa, que prestam no terreno apoio às PSSA sem teto, principalmente ao nível de distribuição de refeições, roupa, produtos de higiene e de assistência médica.

Entre os que distribuem alimentação, roupa e produtos de higiene estão associações como o CASA, a Comunidade Vida e Paz, a Noor Fátima e o Exército de Salvação.

A assistência médica cabe a organizações como os Médicos do Mundo e as associações VoxLisboa e Ares do Pinhal, estas mais vocacionadas para a saúde mental e intervenção junto de pessoas com dependências.

Mais de metade das PSSA na cidade são acompanhados como sendo portadores de doenças mentais: são 57,62% do total os sem-abrigo sem teto que têm estas doenças, incluindo adições (consumo de droga e de álcool).

Estes são acompanhados pelo NPISA em articulação com equipas técnicas de rua, envolvendo o Centro Hospital Psiquiátrico de Lisboa, delegadas de Saúde Pública dos vários Agrupamentos de Centros de Saúde, por equipas da Câmara Municipal, pela Associação para o Estudo e Integração Psicossocial (AEIPS), pela Associação de Intervenção Comunitária Crescer, além da Ares do Pinhal.

Quanto à localização das principais comunidades destes sem-abrigo que vivem na rua, uma percentagem de 38,7% vive nas ruas da zona histórica de Lisboa, 26,6% na zona centro, 19,8% na zona ocidental e 10,3% na zona oriental.

Relativamente ao mesmo universo, 70% das PSSA têm nacionalidade portuguesa, 11,4% são cidadãos de outros países da Europa e 9,3% são originários de países africanos de língua oficial portuguesa.

Seguem-se cidadãos oriundos de países asiáticos (4,7%), do Brasil (2,5%), de outros países africanos (0,4%), de outros países americanos (0,3%) e 1,4% são de nacionalidade desconhecida.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório