Meteorologia

  • 29 MARçO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 19º

Edição

Editores, delegados e chefes de redação da Lusa contra corte do Estado

Os chefes de redação, editores, editores-adjuntos, coordenadores e delegados da agência Lusa rejeitaram hoje qualquer corte em pagamentos ou na rede de correspondentes, na sequência da redução de 462 mil euros imposta pelo Estado.

Editores, delegados e chefes de redação da Lusa contra corte do Estado
Notícias ao Minuto

20:44 - 24/07/19 por Lusa

País Reação

"Em causa está a continuidade de dezenas de colaboradores, fundamentais para o trabalho da agência na cobertura de temas tão importantes e diversos como incêndios florestais, eleições, autarquias, atualidade dos países de língua portuguesa e comunidades no estrangeiro, competições desportivas ou eventos culturais", lê-se no comunicado divulgado hoje aos trabalhadores.

No documento, 62 jornalistas com cargos de chefia, edição e coordenação alertam para "os graves riscos de perda de qualidade e abrangência do serviço noticioso e para o consequente incumprimento do contrato de prestação de serviço público a que a empresa está obrigada".

Os acionistas da Lusa aprovaram em assembleia-geral no dia 19, entre outros pontos, o Plano de Atividades e Orçamento, depois de a sua votação ter sido adiada sucessivamente desde março.

Nessa reunião magna, o acionista Estado fez uma declaração de voto no qual impôs um limite de 3,630 milhões de euros na rubrica de Fornecimentos e Serviços Externos (FSE), o que representa um corte de 462 mil euros, menos 11% do que estava aprovado pelo Conselho de Administração.

Em comunicado divulgado hoje, a Comissão de Trabalhadores (CT) afirmou que a decisão imposta pelo Estado é "um golpe cruel na motivação" de quem trabalha na Lusa.

"Semanas depois da integração de precários e de regularizações salariais (adiadas há uma década), o Governo diz à Lusa que, em ano eleitoral, é preciso despedir jornalistas em Portugal. Isto num ano de eleições legislativas, e pouco tempo antes do arranque da campanha. Sem o trabalho destes jornalistas silencia-se uma parte do país onde a Lusa é o único órgão de comunicação social presente para lhe dar voz", sublinhou a CT, apelando a uma mobilização de todos os trabalhadores.

No dia 19, os órgãos representativos dos trabalhadores (ORT) da Lusa juntaram-se numa posição conjunta contra o corte "inaceitável", alertando que "levará a uma brutal perda da qualidade do serviço" e a despedimentos de jornalistas.

A rubrica dos Fornecimentos e Serviços Externos "paga muita da atividade diária jornalística da agência, incluindo salários de correspondentes e avençados, nacionais e internacionais, que agora poderão ver-se no desemprego", sustentaram os ORT.

Nesta terça-feira, o presidente do Conselho de Administração da Lusa, Nicolau Santos, anunciou que não vai cumprir a aplicação daquele corte, considerando que ameaça o funcionamento da agência de notícias.

"Se não houver qualquer evolução nesta decisão, então é evidente que pela primeira vez em duas décadas a Lusa não cumprirá o Plano de Atividades e Orçamento, sujeitando-se o presidente do Conselho de Administração às respetivas consequências", lê-se num comunicado assinado por Nicolau Santos e distribuído aos trabalhadores da agência de notícias.

O Sindicato dos Jornalistas e o Bloco de Esquerda já questionaram os ministérios da Cultura e das Finanças sobre este corte de quase meio milhão de euros imposto pelo Estado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório