Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2019
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

"Tive de sair do meu país de origem para ser reconhecida"

Sílvia Nunes é enfermeira, trabalha em Inglaterra e já foi galardoada com dois prémios que distinguiram o seu trabalho.

"Tive de sair do meu país de origem para ser reconhecida"

Sílvia Nunes dá rosto àquela que tem sido a batalha de muitos jovens portugueses que veem na emigração a solução para a falta de emprego em território nacional. Vive no Reino Unido e sonha com o regresso a Portugal – um sonho, porém, que não sabe se algum dia irá realizar. A viver no estrangeiro, esta enfermeira granjeou dois prémios que distinguem o trabalho que tem realizado. Homenagens que, em entrevista ao Notícias ao Minuto, diz terem um sabor “agridoce”.

Em março deste ano, a jovem de Vila do Conde foi galardoada com o prémio britânico Great British Care Awards, na categoria de melhor enfermeira pela inovação, criatividade e atenção no trabalho.

Esta não foi, porém, a primeira vez que a enfermeira foi distinguida. Já em novembro de 2018, Sílvia foi escolhida como a ‘Melhor Enfermeira’ da região leste de Inglaterra pela mesma instituição. “Foi uma surpresa. Quando cheguei ao Reino Unido não fazia ideia de que havia prémios e muito menos que algum dia seria nomeada para um deles. Foi uma sensação boa, mas também agridoce. É bom reconhecerem o meu trabalho, mas por outro lado faz-me pensar que tive de sair do meu país de origem para ser reconhecida”, explica.

Sílvia, agora com 33 anos, licenciou-se em Enfermagem na Escola Superior de Saúde de Vale do Ave. Terminada a formação superior, “como não encontrava emprego em hospitais ou em cuidados continuados, fui para uma unidade de apoio domiciliário em Vila do Conde, onde trabalhei durante seis meses”.

Em agosto de 2014, a jovem percebeu que a melhor opção “seria emigrar”. Mas nem tudo foi fácil no percurso de Sílvia. “Em Inglaterra há muito trabalho, bastante oferta para enfermeiros, mas quando cheguei o meu nível de Inglês não era muito bom”. A língua foi, numa fase inicial, uma barreira, mas Sílvia não desistiu. Começou, então, por trabalhar em limpeza enquanto apostava na formação na língua estrangeira. Durante esse processo, deu ainda início aos procedimentos necessários para ver a sua cédula profissional reconhecida no Reino Unido.

Passados 10 meses, começou a trabalhar como enfermeira num lar onde previamente tinha conseguido emprego como auxiliar. Estávamos em junho de 2015 e Sílvia começava então a pôr os seus conhecimentos de enfermagem em prática e a progressão não tardaria. Em janeiro de 2016, assumiu o cargo de diretora clínica. Em setembro desse mesmo ano acabaria por mudar para outro lar onde é agora vice-gerente.

Pese embora não tenha ingressado na licenciatura em Enfermagem com o objetivo de trabalhar com a terceira idade, esta, diz, é uma área “que precisa de aperfeiçoamento; de ser aprimorada e da qual gosto muito. E além disso, ainda me sinto desafiada a continuar nesta área”, reforçou.

Portugal vs Reino Unido: Duas faces da mesma 'moeda'

Convidada a tecer uma comparação entre o mercado de trabalho português e britânico, no que à Enfermagem diz respeito, Sílvia Nunes não tem dúvidas: “A oferta é maior no Reino Unido. A partir do momento em que se tem cédula, consegue-se mudar de local de trabalho com facilidade”. No domínio da remuneração, “sem sombra de dúvida que Inglaterra é mais vantajosa” para esta classe de profissionais.

Se tivesse continuado em Portugal e conseguido emprego na área de formação, acredita a jovem portuguesa que “não teria progredido da mesma forma. Não estou em Portugal, mas daquilo que vejo dos colegas, sei que o nível de progressão não é o mesmo”.

A distância, todavia, não apaga “a dor” que sente em ver a situação dos enfermeiros portugueses. Sentir-se-ia tentada a convidá-los a sair do país em busca de melhor condições, mas Sílvia entende “que é difícil sair da zona de conforto, ainda para mais quando se construiu uma família. Mudar uma família inteira é mais difícil do que movermo-nos sozinhos. Mas vejo a dor deles, e para além dos ordenados que não são muito bons, é o trabalho que não é reconhecido. Costumo dizer aos meus colegas que às vezes nem é só a remuneração financeira. É também uma palavra de apreço que faz a diferença”.

Quanto a regressar a Portugal, a enfermeira não esconde que gostaria de voltar à terra que a viu nascer. “Gostava muito de voltar a casa”, todavia “não sei quando isso irá acontecer. Se será a curto, médio ou longo prazo, ou se alguma vez irá acontecer. Quando saímos de casa, não saímos porque queremos”, desabafa.

Para os profissionais que ponderem a ‘aventura’ além-fronteiras, Sílvia aconselha que se “informem sobre qual a língua que se fala no país de destino” e sugere ainda que  “não se fechem em casa de forma alguma. Devem divertir-se e ir à luta por aquilo que querem. Arrisquem e aventurem-se. Há tantas coisas pelo mundo fora, se a pessoa não se aventurar, não vai descobrir nunca”.

Já a quem tem o poder de decisão em Portugal, Sílvia deixa uma mensagem para que sejam desenvolvidos esforços para “manter os excelentes profissionais que o país tem e não os deixar ir embora. Aproveitem a mão de obra que é fantástica porque os portugueses são excelentes profissionais. E vejo tão bons profissionais a saírem do país… Se lhes fosse dada uma oportunidade, poderiam fazer a diferença no futuro”, remata.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório