Meteorologia

  • 19 JANEIRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Forma como médicos reportam falhas informáticas é "assunto interno"

O serviço que gere os sistemas informáticos do Ministério da Saúde escusa-se a comentar a forma como os médicos ou serviços de saúde se organizam para reportar falhas informáticas, na sequência de queixas da Ordem.

Forma como médicos reportam falhas informáticas é "assunto interno"

A Ordem dos Médicos avisou que está a agravar-se a "burocracia informática" que envolve a emissão de receitas médicas sem papel, considerando que está a ser prejudicado o tempo de consulta a dedicar ao doente.

Segundo o bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, os serviços do Ministério da Saúde responsáveis pela gestão dos sistemas informáticos emitiram uma circular na qual é solicitado aos médicos mais um procedimento a executar na emissão das receitas médicas que "faz perder muito tempo".

Numa resposta enviada à agência Lusa, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) afirmam que, em julho, entrou em vigor uma nova circular referente ao uso dos sistemas informáticos, mas alega que o objetivo é "facultar informação rigorosa sobre os constrangimentos que impedem os médicos de usar o sistema eletrónico, em caso de falência", para garantir que os problemas são analisados e resolvidos.

"Relativamente à forma como os serviços se organizam para proceder à notificação de falhas informáticas, é um assunto interno sobre o qual a SPMS não comenta", acrescenta a resposta escrita.

A SPMS diz ainda que a lei estabelece que o uso de receita manual e em papel depende de condições verificáveis, como falência informática, inadaptação do médico aos sistemas ou um limite de 40 receitas por mês.

Em declarações à agência Lusa, o bastonário da OM explicou que é pedido aos médicos um "procedimento informático extra", que passa por informar um 'helpdesk' sobre a falência do sistema informático para que seja gerado um número de código que devem incluir quando na receita manual quando não é possível passar uma receita eletrónica.

Quando há um problema informático que impossibilita passar uma receita eletrónica, os médicos estão a ser obrigados a colocar na receita manual um código numérico que é o indicador da falha informática, mas, segundo Miguel Guimarães, esse código nem sempre é fácil de encontrar, levando a que os médicos "percam muito tempo" a ligar para um 'helpdesk'.

"Faz perder muito tempo. Às vezes pode levar uma, duas ou três horas. Isto é trabalho burocrático, não é trabalho médico", sublinha o bastonário, considerando que "isto não é aceitável".

Os dados oficiais da SPMS indicam que desde julho, quando entrou em vigor a circular criticada pela Ordem dos Médicos, se registaram 176 registos de indisponibilidade do sistema para um universo de mais de sete milhões de prescrições por via da plataforma eletrónica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório