Meteorologia

  • 07 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 6º MÁX 13º

Pentágono diz que EUA enfrentarão anos decisivos em confronto com China

O secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, considerou hoje que os Estados Unidos estão numa situação crucial com a China e necessitam de poder militar para impor as regras globais no século XXI em oposição a Pequim.

Pentágono diz que EUA enfrentarão anos decisivos em confronto com China
Notícias ao Minuto

23:23 - 03/12/22 por Lusa

Mundo China

O discurso de Austin no Reagan National Defense Fórum concluiu uma semana na qual o chefe do Pentágono elegeu como tema o crescente poderio da China, e o seu significado para a posição que os Estados Unidos devem adotar à escala internacional.

Na segunda-feira, divulgou um relatório anual de segurança sobre a China no qual adverte que Pequim deverá possuir 1.500 ogivas nucleares em 2035, sem ser óbvia a forma como a China pretende utilizá-las.

E na sexta-feira, Austin congratulou-se com a apresentação do novo bombardeiro estratégico furtivo B-21 Raider, como parte da resposta do Pentágono às crescentes preocupações sobre um futuro conflito com a China.

"A China é o único país que garante em simultâneo a vontade, e um crescente poder, para reformular a sua região e a ordem internacional para garantir a suas opções autoritárias", considerou hoje Austin. "Deixem-me ser claro: não deixaremos que isso aconteça", declarou.

O Pentágono também está preocupado com a Rússia e mantém o compromisso de continuar a fornecer armamento à Ucrânia e evitar em simultâneo uma escalada que implique uma guerra dos EUA com Moscovo, assinalou no seu discurso no fórum que decorreu na Ronald Reagan Presidential Library.

"Não seremos arrastados para a guerra de Putin", disse Austin.

"Os próximos anos vão estabelecer os termos da nossa competição com a República Popular da China. Vão desenhar o futuro da segurança da Europa", prosseguiu. "E determinar se os nossos filhos e netos vão herdar um mundo aberto de regras e direitos, ou se vão enfrentar estimulados autocratas que pretendam dominar pela força e medo".

Austin frisou que, entre as duas ameaças de potências nucleares, a China permanece o maior risco.

Para enfrentar a situação, precisou, "vamos adaptar o nosso orçamento ao desafio que representa a China e como nunca antes sucedeu". "No nosso mundo imperfeito, a dissuasão deve surgir através da força".

O chefe do Pentágono também anunciou um orçamento elevado para novos investimentos em armamento nuclear até 2046, estimado em 1,2 biliões de dólares, onde se inclui o B-21 Raider.

O departamento da Defesa garante o maior orçamento discricionário de todas as agências federais, e pode receber até 847 mil milhões de dólares (805 mil milhões de euros) no orçamento de 2023 caso o Congresso aprove a recente proposta de lei antes do fim da sessão legislativa.

Diversos setores da administração consideram que estas medidas ainda são insuficientes para os projetos de modernização e o anunciado confronto com a China, pelo facto de muitas das verbas serem destinadas ao pessoal militar.

O gabinete do Congresso para o orçamento (CBO) estima que cerca de um quarto do orçamento da Defesa é gasto em custos de pessoal, incluindo salários, cuidados médicos e reformas.

Leia Também: Dinheiro e política Covid "menos rígida" atenuam ressentimento em Macau

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório