Meteorologia

  • 28 JANEIRO 2023
Tempo
MIN 4º MÁX 11º

Dinheiro e política Covid "menos rígida" atenuam ressentimento em Macau

Analistas ouvidos pela Lusa defendem que as manifestações na China contra as restrições pandémicas dificilmente farão eco em Macau, onde uma estratégia "menos rígida", apoiada pela distribuição de dinheiro e subsídios, tem conseguido "atenuar o ressentimento público".

Dinheiro e política Covid "menos rígida" atenuam ressentimento em Macau
Notícias ao Minuto

13:21 - 03/12/22 por Lusa

Mundo Macau

Uma vaga de protestos alastrou-se, nos últimos dias, a várias cidades chinesas contra as rigorosas medidas de confinamento impostas pelas autoridades nacionais. A contestação intensificou-se após a morte de dez pessoas num incêndio, num edifício alvo de confinamento em Urumqi, capital da região autónoma de Xinjiang.

Macau, que registou seis mortes desde o início da pandemia, também segue a política chinesa de 'zero covid', apostando em testagens em massa, confinamentos de zonas de risco e quarentenas de cinco dias para quem chega ao território -- com exceção de quem vem da China continental.

"Temos cada vez mais pessoas a queixarem-se que se seguirmos a política do interior da China vamos gerar mais problemas em Macau, mas parece-me que o ressentimento público ainda não alcançou aquele nível", começou por dizer o cientista político Eilo Yu.

O professor da Universidade de Macau observou, porém, que a estratégia em Macau é "menos rígida" do que no interior da China, estando, além do mais, amparada por "subsídios e dinheiro", na forma, por exemplo, de várias rondas de distribuição de cartões de apoio ao consumo no valor de oito mil patacas (961 euros).

Em solidariedade com as vítimas de Urumqi e os protestos na China, um estudante da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST), oriundo do interior da China, manifestou-se no início desta semana nas instalações do estabelecimento de ensino.

Apesar da imagem do episódio ter aparecido nas redes sociais, o jovem, que aparecia a segurar um papel A4 branco -- já um símbolo de resistência no país -- pediu à Lusa para não ser identificado pelo nome, por receio de sofrer represálias.

"Vi muitos estudantes universitários, um pouco por todo o país, a serem suficientemente corajosos para se levantarem e erguerem papéis brancos em defesa dos compatriotas, e eu soube nessa altura que podia fazer algo, mesmo que a uma escala menor", explicou.

O manifestante solitário contou que esteve uma hora no local, "até ser persuadido por um professor a ir embora" e que um segurança "impediu pessoas de fotografarem" o ato de contestação.

Para um sociólogo entrevistado pela Lusa, "a ação na MUST" tratou-se de um ato isolado, não existindo "uma dinâmica em Macau que motive as pessoas a saírem para a rua".

O docente, uma das várias pessoas entrevistadas para este trabalho que não quis divulgar a identidade -- "este é um tema muito sensível" - apontou diferenças entre a população de Macau e de Hong Kong, onde, na segunda-feira, estudantes entoaram frases de "oposição à ditadura" num protesto contra as medidas de contenção da pandemia na China.

Hong Kong tem apertado o controlo de segurança desde que Pequim lançou uma campanha em 2019 para esmagar um movimento pró-democracia.

"A população [de Hong Kong] está mais cansada do que a de Macau e algumas pessoas são mais sensíveis do que aqui", disse.

"Ao receber-se dinheiro do governo, existe a obrigação de não se ter voz", concretizou.

Também o silêncio da comunicação social local pode justificar o alheamento da população de Macau, reforçou o politólogo Eilo Yu. Mas ressalvou: "Se a situação piorar e for feito barulho junto da comunidade internacional, então acredito que mais residentes de Macau se apercebam da campanha e das manifestações e isso poderá gerar algum tipo de empatia", referiu.

No mesmo sentido, o deputado português José Pereira Coutinho considerou que os média em Macau estão a falhar: "Muitas vezes nem sequer relatam questões que os deputados levantam bastante sérias". E completou, referindo-se aos protestos: "Quanto mais aquilo que está no interior do continente".

O também presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública, para quem a situação em Macau "não está tão mal ao ponto das pessoas saírem à rua", defendeu ainda que não é com manifestações "que se resolvem os problemas".

A Lusa contactou outros dois académicos para este trabalho, mas sem sucesso. Num email, uma outra docente universitária disse não acreditar que as manifestações se alastrem a Macau, porque além de as medidas de prevenção pandémica não serem "tão duras", em comparação com o outro lado da fronteira, "para a maior parte das pessoas em Macau a mobilidade não é tão importante".

"A passagem fronteiriça para Zhuhai [cidade adjacente a Macau] continua a ser frequente apesar dos inconvenientes e para aqueles que pensam que a mobilidade internacional é importante provavelmente já deixaram Macau nos últimos dois anos ou estão tristemente a pensar deixar", indicou.

A académica, que também não quis ver o nome referido neste texto, lamentou que a instituição para a qual trabalha "desencoraje os professores a falarem com a comunicação social".

Antes, "o nosso contributo com conhecimento e perspetivas era considerado um serviço à comunidade e à sociedade de Macau. Sinto-me bastante chateada e enfraquecida", concluiu.

Leia Também: Universidade de Macau cria prémio para melhores teses em português

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório