Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

AO MINUTO: Kremlin aceita propostas de Kyiv?; 2.700 civis deixam Lugansk

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre o conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

AO MINUTO: Kremlin aceita propostas de Kyiv?; 2.700 civis deixam Lugansk

Mais de um mês depois do início da invasão russa sobre a Ucrânia, que começou a 24 de fevereiro, o dia fica marcado pelo acordo de uma abertura de sete corredores humanitários para a evacuação de algumas das cidades mais fustigadas pelo conflito, tal como anunciado pela vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk.

Este sábado fica ainda marcado pela notícia, avançada pelo The Kyiv Independent, que dá conta de que a Rússia começa a mobilizar tropas no território ocupado da Moldova. Segundo o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia, Moscovo pretende assim demonstrar a sua prontidão para atacar a Ucrânia pelo sudoeste e para possíveis provocações na fronteira ucraniana.

Até ao momento, a Organização das Nações Unidas (ONU) contabiliza já um total de 1.325 civis mortos na sequência da guerra na Ucrânia, 120 deles crianças.

Acompanhe aqui AO MINUTO os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia:

00h00 - Boa noite. Terminamos por agora a nossa cobertura AO MINUTO sobre a guerra na Ucrânia. Regressamos na manhã de domingo para continuar a acompanhar a situação.

23h42 - Russos destroem maior refinaria de petróleo da Ucrânia

Na sequência de um ataque de mísseis que decorreu na sexta-feira, os russos terão destruído a maior refinaria de petróleo da Ucrânia, localizada na cidade de Kremenchuk, noticia o The Kyiv Independent.

Desde o início da invasão, a Rússia tem apostado neste género de ataques direcionados a depósitos de petróleo espalhados pelo país, tal como aconteceu em Lviv e Dnipro.

23h18 - Estados Bálticos suspendem importações de gás russo

Em declarações proferidas este sábado na rádio nacional, o diretor da operadora de armazenamento de gás natural da Letónia adiantou que os Estados Bálticos suspenderam as importações de gás natural provenientes da Rússia.

"Desde 1 de abril, o gás natural russo já não circula para a Letónia, Estónia e Lituânia", disse Uldis Bariss, CEO da Conexus Baltic Grid, aqui citado pela AFP.

As declarações foram proferidas depois do presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, ter apelado ao resto da Europa para seguir o exemplo dado pelo país a este nível.

23h11 - Zelensky avisa que Rússia pretende tomar o leste e sul da Ucrânia

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse este sábado que as forças russas tinham o objetivo de tomar o leste e o sul do país. O chefe de Estado acusou ainda as nações ocidentais de não terem fornecido a Kyiv sistemas antimísseis suficientes.

Num discurso difundido esta noite, Zelensky elogiou as forças que têm vindo a defender o porto sitiado de Mariupol, dizendo que a sua resistência estava a permitir que outras cidades ganhassem tempo que considera "valioso".

23h08 - PAN pede ao Governo isenção fiscal para ajudas solidárias à Ucrânia

O PAN deu entrada no Parlamento a uma iniciativa em que pede ao Governo que seja aplicada uma isenção fiscal às ajudas solidárias destinadas à Ucrânia e aos indivíduos mais afetados pelo conflito.

23h02 - Kyiv afirma que Moscovo aceitou "oralmente" propostas ucranianas

A agência noticiosa Interfax está a noticiar que, provavelmente, será na Turquia que os presidentes russo e ucraniano se irão reunir no âmbito das conversações de paz que têm vindo a ser estabelecidas entre ambos os países.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, tinha telefonado a Putin e a Zelensky na sexta-feira "e parecia confirmar, da sua parte, que estão prontos para marcar uma reunião num futuro próximo", disse o negociador ucraniano David Arakhamia.

O negociador disse ainda que a Rússia aceitou "oralmente" a proposta global apresentada pela Ucrânia, que consta no mais recente esboço do Tratado de Paz que tem vindo a ser trabalhado por ambas as partes. Exceção a esta regra é, no entanto, a posição apresentada por Kyiv acerca da Crimeia.

22h56 - Ucrânia continua a fornecer um "desafio significativo" à Rússia

O Ministério da Defesa do Reino Unido acabou de publicar a sua mais recente atualização sobre a guerra na Ucrânia. Ao mesmo tempo que afirma que tem existido uma concentração da atividade aérea russa no sudeste do país, o departamento diz que a Ucrânia continua a "fornecer um desafio significativo" às operações aéreas e de mísseis russas. 

Como resultado da sua "incapacidade de encontrar e destruir sistemas de defesa aérea", os esforços das forças russas para obterem o controlo do ar têm sido "seriamente dificultados", disse o Ministério da Defesa britânico.

22h23 - 643 objetos explosivos detetados em Irpin

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e várias outras autoridades do país têm vindo a acusar as tropas russas de terem deixado para trás minas e outros explosivos, antes de abandonarem a região de Kyiv. Em Irpin, as equipas ucranianas encontraram 643 objetos explosivos, reporta a Nexta.

21h34 - Johnson e Zelensky discutiram reforço da defesa ucraniana

Através de uma publicação na rede social Twitter, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deu conta de que voltou a falar com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. Falando do Reino Unido como um "poderoso aliado", o chefe de Estado ucraniano informou que foi discutido um eventual reforço da defesa da Ucrânia, bem como uma "intensificação das sanções anti-Rússia" e as "garantias de segurança pós-guerra".

21h30 - Mais de 200 pessoas detidas na Rússia em manifestação contra a guerra

Mais de 200 pessoas foram detidas hoje na Rússia em protestos contra a ofensiva russa na Ucrânia, disse a OVD-Info, uma organização não-governamental (ONG) especializada na monitorização de detenções no país.

21h28 - Pedidos de proteção temporária concedidos pelo SEF sobem para 26.260

Os pedidos de proteção temporária de cidadãos ucranianos e estrangeiros a viverem na Ucrânia desde o início da invasão russa concedidos por Portugal subiram para 26.260, segundo dados hoje revelados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

21h20 - Jornalistas captam evidências de execução de civis em Bucha

Jornalistas que têm vindo a cobrir a guerra na Ucrânia captaram imagens perturbadoras na cidade de Bucha, localizada na região de Kyiv e que, entretanto, voltou a ser controlada por forças ucranianas.

A imagem em causa vem confirmar relatos que davam conta da execução de indivíduos civis, cujos cadáveres foram encontrados nas ruas da cidade, com as mãos atadas e sacos a cobrir as suas cabeças.

21h03 - Mais de 700 pessoas abandonaram Mariupol este sábado

Um total de 765 residentes conseguiram sair este sábado de Mariupol em veículos privados, disse a vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk. A mesma fonte esclareceu que os cidadãos já chegaram a Zaporizhzhia.

19h42 - Parlamento ucraniano faz balanço dos ataques sobre unidades de saúde

O Parlamento da Ucrânia informou que desde o início da invasão russa, a 24 de fevereiro, 274 centros médicos foram danificados e 70 ambulâncias destruídas, na sequência dos ataques de Moscovo. Por sua vez, nove trabalhadores que operam na área da saúde terão morrido, com outros 30 a terem ficado feridos. 

18h58 - Kremlin diz que a Ucrânia recusou continuar negociações na Bielorrússia

A agência estatal russa RIA está a reportar que o Kremlin diz ter mostrado vontade de prosseguir com as negociações de paz em território bielorrusso, mas que a Ucrânia não se mostrou disponível para tal.

De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, as conversações com a Ucrânia não têm sido fáceis, mas o mais importante é que continuem a decorrer.

18h54 - Ucrânia diz ter reconquistado controlo total da região de Kyiv

A vice-ministra da Defesa da Ucrânia, Hanna Malyar, recorreu a uma publicação no Facebook para dar conta de que as tropas ucranianas recuperaram o controlo total da região de Kyiv. "Toda a região de Kiev foi libertada do invasor", pode ler-se no 'post'.

18h36 - Número de mortos em ataque a edifício governamental em Mykolaiv sobe para 36

A contagem de fatalidades associadas ao ataque aéreo sobre um edifício da administração estatal regional em Mykolaiv subiu para 36, noticia o The Kyiv Independent. Em causa está o ataque da passada terça-feira sobre o edifício de nove andares, perpetrado pelas forças russas.

18h35 - Ataque aéreo danifica aeródromo e depósito de combustível na região de Poltava

Um ataque aéreo russo danificou uma pista de aterragem e um depósito de combustível perto da cidade de Myrhorod, na região ucraniana de Poltava, disse este sábado o governador Dmytro Lunin, numa publicação online.

18h31 - Cruz Vermelha a caminho de Mariupol para evacuar cidade

Uma caravana humanitária do Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) está neste momento a caminho de Mariupol, numa tentativa de ajudar mais civis a abandonarem a cidade portuária sitiada.

"A equipa do CICV partiu esta manhã de Zaporizhzhia", esclareceu um porta-voz da entidade. "Estão a passar a noite a caminho de Mariupol e ainda não chegaram à cidade", acrescenta a mesma fonte, citada pela Sky News.

18h24 - Quase 300 pessoas enterradas em valas comuns em Busha

Perto de 300 pessoas foram enterradas "em valas comuns" em Busha, uma cidade perto de Kyiv que tem sido palco de violentos combates e que foi recuperada pelos soldados ucranianos aos russos, revelou hoje o presidente do município.

18h21 - Milhares de manifestantes na Suíça exigem o fim da guerra na Ucrânia

Milhares de pessoas manifestaram-se hoje na capital da suíça, Berna, apesar de uma tempestade de neve fora de época, para exigirem o fim da invasão devastadora da Rússia na Ucrânia.

18h07 - Retirados 2.700 civis de Lugansk, diz autarca

As autoridades ucranianas retiraram hoje 2.700 civis da região oriental de Lugansk, controlada em parte pelo exército russo e por forças separatistas, anunciaram fontes locais.

18h04 - Residentes de Izium dão "bolos envenenados" às forças russas

O Departamento de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia anunciou este sábado que os residentes de Izium, cidade tomada pelos russos, “ofereceram” bolos envenenados às forças de Moscovo, resultando na morte de dois soldados.

18h00 - Mais 4.200 pessoas fugiram de cidades na 'linha da frente' do conflito

Um total de 4.217 pessoas abandonaram, este sábado, algumas das cidades mais afetadas pelo conflito na Ucrânia, adiantou a vice-primeira-ministra do país, Iryna Vereshchuk em declarações proferidas na televisão nacional, reporta o The Guardian.

17h54 - Governador de Chernihiv acusa russos de 'plantarem' minas

O governador de Chernihiv, Viacheslav Chaus, também acusou as tropas de Moscovo de terem espalhado minas enquanto se preparavam para abandonar posições em torno da capital regional, reporta o The Guardian.

"Há muitas minas. Elas [as aldeias] estão cheias delas", disse o governador, em declarações feitas na televisão nacional. O Ministério da Defesa da Rússia ainda não comentou estas alegações, relata a Reuters.

17h42 - Forças russas bombardeiam hospital na região de Kharkiv

As forças de Moscovo terão bombardeado um hospital em Balakliia, na região de Kharkiv, avança o The Kyiv Independent, que cita o governador da região, Oleh Synehubov. Em causa está uma zona territorial que foi já tomada pelos russos, tendo este ataque sido perpetrado com o intuito de incriminar as Forças Armadas da Ucrânia, acusa a mesma fonte.

Oleh Synehubov acrescentou que o edifício está parcialmente destruído e que cerca de 70 pessoas precisam de receber ajuda imediata para poder abandonar o local.

17h35 - "Próximos dias não serão fáceis", diz conselheiro presidencial ucraniano

O conselheiro presidencial ucraniano, Oleksiy Arestovych, avisou este sábado que ainda há "intensos combates pela frente" a sul e a leste da Ucrânia, incluindo em Mariupol, pelo que os dias que se aproximam “não serão fáceis”.

17h11 - Lituânia bane oficialmente compra de gás russo

O presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, anunciou este sábado que o país vai deixar de importar gás russo já a partir deste mês de abril, noticia o The Kyiv Independent. A Lituânia torna-se, assim, o primeiro país da União Europeia a tomar uma medida desta natureza.

O chefe de Estado da Lituânia considera ainda que outros países europeus deveriam seguir este exemplo lituano.

17h05 - Quatro feridos após forças russas dispersarem violentamente protesto em Enerhodar

Foram entretanto divulgadas mais informações acerca dos protestos que terminaram de forma violenta na cidade de Enerhodar, ocupada pelas forças russas. De acordo com a provedora dos Direitos Humanos da Ucrânia, Lyudmila Denisova, quatro pessoas ficaram feridas, algumas com queimaduras graves, na sequência do incidente.

A mesma fonte, citada pela BBC, esclarece que as forças russas utilizaram explosivos ligeiros e abriram fogo sobre os manifestantes, com o intuito de dispersarem o protesto.

16h52 - Ucrânia pede embargo do Ocidente à energia russa

Mykhailo Podolyak, conselheiro do chefe de gabinete do presidente ucraniano, diz que as sanções impostas pelo Ocidente à Rússia não são suficientes.

"Para arruinar a economia russa e impedir o assassinato de ucranianos, é necessário um embargo direto a toda a energia russa", apela Podolyak, citado pelo The Kyiv Independent.

16h39 - Bandeira da Ucrânia hasteada novamente em Chernobyl

A bandeira nacional ucraniana foi novamente hasteada sobre a central nuclear de Chernobyl na manhã deste sábado, à medida que trabalhadores cantavam o hino nacional e celebravam a partida das tropas russas que tinham ocupado o local durante semanas, reporta a BBC.

De acordo com a Energoatom, a agência nuclear estatal, todas as tropas russas já terão abandonado a central.

16h34 - Cinemas polacos exibem filmes dobrados em ucraniano para entreter refugiados

Uma operadora de cinema na Polónia, intitulada Helios, tem vindo a exibir filmes dobrados em ucraniano, com o objetivo de oferecer aos refugiados em fuga da guerra mais uma modalidade de entretenimento.

52 salas de cinema de todo o país foram englobadas na iniciativa, reporta a Sky News.

16h30 - Fotojornalista Maks Levin abatido com armas de pequeno calibre

Existem mais informações acerca da morte do fotojornalista Maks Levin, que estava na Ucrânia a cobrir o conflito. O The Kyiv Independent noticia que o repórter foi alvejado duas vezes com armas de pequeno calibre, de acordo com resultados preliminares.

Maks Levin foi encontrado morto na região de Kyiv na sexta-feira. De acordo com o Gabinete do Procurador-Geral da Ucrânia, a investigação está ainda em curso.

16h19 - Lado oriental da Ucrânia afetado por escassez de água

Donetsk, Makeyevka e outras cidades controladas pelos rebeldes na vertente oriental da Ucrânia estão a debater-se com graves carências de água, noticia a Sky News. As infraestruturas de água foram desmanteladas durante o conflito e algumas áreas de Donetsk só estão a receber água corrente durante duas horas de dois em dois dias.

Alguns residentes têm sentido, inclusive, a necessidade de viajar para outras zonas para irem buscar água, uma vez que os preços deste bem essencial continuam a subir. 

16h16 - Ucrânia acusa Rússia de usar civis como "escudos humanos"

O Ministério da Defesa da Ucrânia acusa as forças russas de raptarem civis e de usarem-nos como "escudos humanos" para protegerem as suas colunas de equipamento militar. 

O Provedor da Ucrânia disse ainda que os soldados russos estão também a utilizar crianças para essa mesma finalidade.

16h12 - Corpos de 20 homens alinhados numa rua em Busha, recuperada aos russos

Os corpos de pelo menos 20 homens vestidos com roupas de civis foram alinhados hoje numa rua em Busha, uma cidade a noroeste de Kyiv, que os soldados ucranianos acabam de recuperar às forças russas, constatou um repórter da AFP.

16h08 - Mísseis russos atingiram linha ferroviária em Dnipropetrovsk 

O The Kyiv Independent está a noticiar que vários mísseis russos atingiram uma linha ferroviária na região de Dnipropetrovsk, provocando a paragem de todo o tráfego.

Segundo o governador da região, Valentyn Reznichenko, vários carris e carruagens ficaram severamente danificados na sequência do ataque.

16h01 - SEF da Madeira registou 327 pedidos de proteção temporária

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) da Madeira já registou 327 pedidos de proteção temporária por parte de cidadãos ucranianos, dos quais 47 estão alojados em casas de famílias voluntárias, indicou a secretaria regional da Cidadania e Inclusão Social.

16h01 - Mais de 600 mil ucranianos regressaram ao país para lutar

Desde o início da invasão russa, cerca de 620.000 ucranianos regressaram ao seu país de origem para combater, noticia o The Kyiv Independent.

"Nas primeiras semanas de guerra, a maioria dos ucranianos que regressaram a casa eram homens, mas agora vemos um número crescente de mulheres e de crianças a regressar", acrescenta o porta-voz do Serviço de Guarda de Fronteiras do Estado.

16h01 - UE trabalha novas sanções contra a Rússia não relacionadas com a energia

A União Europeia (UE) está a trabalhar em "novos pacotes de sanções" contra a Rússia, embora não relacionados com a energia, assegurou hoje o comissário europeu para a Economia, Paolo Gentiloni.

16h01 - Minas após retirada russa mantêm Kyiv insegura, diz Zelensky

À medida que as forças russas se retiram da capital estão a criar uma situação catastrófica" para os civis, deixando minas ao redor das casas, equipamentos abandonados e "até mesmo os corpos dos mortos", alertou hoje o Presidente ucraniano.

16h00 - Boa tarde! Iniciamos aqui uma nova cobertura AO MINUTO da invasão russa na Ucrânia. Pode recordar o registo anterior aqui.

Leia Também: Mais de 170 pessoas presas na Rússia por protestarem contra a guerra

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório