Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Irão adia execução de jovem condenado à morte

O Irão adiou a execução de um homem preso aos 17 anos por homicídio, mas o seu enforcamento continua iminente, disseram hoje grupos de direitos humanos, incluindo a Amnistia Internacional.

Irão adia execução de jovem condenado à morte
Notícias ao Minuto

15:49 - 13/10/21 por Lusa

Mundo Irão

"Arman Abdolali, que deveria ter sido executado hoje, continua detido em isolamento", disse a organização Iran Human Rights (IHR) de Oslo.

A Amnistia Internacional disse no Twitter que a execução da sentença deverá ser adiada para "sábado, 16 de outubro".

O jovem de 25 anos foi "condenado à morte por um crime cometido quando era menor, após um julgamento grosseiramente injusto caracterizado por 'confissões' obtidas sob tortura", disse a Amnistia Internacional na terça-feira.

A sua execução já foi planeada por duas vezes, em janeiro de 2020 e fevereiro de 2021, mas foi adiada na sequência da mobilização de organizações internacionais.

Abdolali foi colocado em isolamento na prisão Rajai Shahr, a oeste de Teerão, e os seus pais foram convocados para uma visita final na terça-feira.

O corpo da alegada vítima, morta em 2013, nunca foi encontrado e Abdolali retratou posteriormente a sua confissão, segundo a IHR.

"As autoridades iranianas devem inverter imediatamente a execução", exigiu a Amnistia Internacional.

As convenções internacionais subscritas pelo Irão proíbem a execução de qualquer pessoa condenada por um crime cometido com menos de 18 anos de idade.

O Irão é o país que executa o maior número de pessoas no mundo depois da China, e pelo menos 64 jovens alegados criminosos foram executados no país nos últimos dez anos, incluindo quatro em 2020, segundo a IHR.

Num sinal de preocupação internacional sobre o assunto, a comissária dos Direitos Humanos alemã, Baerbel Kofler, disse que a execução de Arman Abdolali era uma "violação inaceitável do direito internacional".

"Arman Abdolali era um menor na altura do alegado crime. Há indicações credíveis de que a sua confissão foi obtida sob tortura. Portanto, a sua condenação viola os princípios fundamentais do Estado de direito", disse Kofler numa declaração divulgada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão.

Leia Também: PM de Israel vai à Rússia discutir programa nuclear do Irão com Putin

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório