Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 14º

Edição

PM de Israel vai à Rússia discutir programa nuclear do Irão com Putin

O primeiro-ministro israelita, Naftali Bennett, vai encontrar-se com o Presidente russo, Vladimir Putin, na próxima semana em Sochi, Rússia, para discutir "principalmente o programa nuclear iraniano", anunciou hoje o seu gabinete.

PM de Israel vai à Rússia discutir programa nuclear do Irão com Putin
Notícias ao Minuto

16:11 - 12/10/21 por Lusa

Mundo Naftali Bennett

"As duas partes discutirão questões diplomáticas, de segurança e económicas relativas aos dois países, bem como assuntos regionais importantes, incluindo principalmente o programa nuclear iraniano", disse o gabinete de Bennett, citado pela agência de notícias France-Presse.

A deslocação de Bennett a Sochi está agendada para 22 de outubro, e realiza-se a convite de Vladimir Putin, segundo o gabinete do primeiro-ministro israelita.

Esta é a primeira visita oficial do primeiro-ministro israelita à Rússia desde a sua tomada de posse, em junho.

Putin felicitou Bennett após a sua vitória e salientou que a cooperação russo-israelita reforçaria a "paz, segurança e estabilidade" no Médio Oriente.

Além de membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a Rússia é um dos signatários do acordo nuclear do Irão de 2015, juntamente com a Alemanha, China, Estados Unidos da América, França e Reino Unido.

O anúncio da visita segue-se a um pedido de Naftali Bennett para que o Conselho de Segurança da ONU tome medidas contra o Irão por causa da evolução crescente do seu programa nuclear, apesar das negociações em curso para retomar um acordo de controlo.

Naftali Bennett defendeu hoje, numa conferência em Jerusalém, que o comportamento do Irão é um problema de todas as nações e que o país deve ser chamado à responsabilidade por todos.

Bennett disse ter avisado outros líderes, incluindo Joe Biden e a chanceler alemã, Angela Merkel, de que o Irão está a violar compromissos internacionais básicos à sombra do agora quase inútil acordo nuclear de 2015.

No âmbito do acordo, o Irão aceitou reduzir o seu programa nuclear sob controlo das Nações Unidas em troca do levantamento de grande parte das sanções económicas ao país.

O acordo foi denunciado unilateralmente pelos Estados Unidos em 2018, pela administração de Donald Trump, o que levou Teerão a ir avançando paulatinamente no enriquecimento de urânio, necessário para desenvolver o programa.

O novo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, decidiu voltar a negociar um regresso ao acordo inicial.

As conversações para um relançamento do acordo tinham sido retomadas em abril, em Viena, mas estão suspensas desde junho, quando foi eleito o novo Presidente do Irão, o ultraconservador Ebrahim Raisi.

O chefe da Organização de Energia Atómica iraniana, Mohammad Eslami, anunciou no fim de semana que o Irão ultrapassou os 120 quilos de urânio enriquecido a 20% armazenado.

"Ultrapassámos os 120 quilos, temos mais do que esse valor. O nosso povo sabe muito bem que deveriam dar-nos o combustível enriquecido a 20% para usar no reator, mas não nos dão", disse Eslami, em declarações à televisão estatal.

No final de setembro, perante a Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro israelita já tinha acusado o Irão de ter atravessado "todas as linhas vermelhas" e reafirmado que Israel não permitirá a Teerão adquirir armas nucleares.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Hossein Amir-Abdollahian, cujo país insiste que o seu programa nuclear é para fins civis, visitou Moscovo na semana passada, onde o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, apelou para um reatamento das negociações em Viena "o mais rapidamente possível".

Leia Também: Papa reforça apoio a dois Estados no conflito israelo-palestiniano

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório